Subscribe:

Parceiros

.


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Vídeo Ciclo Mania

Trazemos um vídeo com muitas manobras maneiras e radicais com a sevenvision the cut-team cannondale, feito pela equipe da sevenvision the cut-team cannondale da cannondale.


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Henrique Avancini conta como é pedalar a nova Caloi Elite Carbon 29er

Por seu custo-benefício atraente, baixo peso e ótima configuração de componentes, bike tem chamado a atenção

Henrique Avancini fala sobre a Caloi Elite Carbon 29er

Henrique Avancini, da Caloi, está pedalando a nova Elite Carbon 29er, que foi sensação da feira Brasil Cycle Fair. Por seu custo-benefício atraente, baixo peso e ótima configuração de componentes, a bike tem chamado a atenção.

Avancini descreveu a bicicleta e a personalização.

“A Caloi Elite Carbon 29er foi idealizada pensando no consumidor brasileiro. Ou seja, na estatura, no relevo, no perfil das competições e principalmente no poder aquisitivo do mercado brasileiro.
Em síntese, o projeto foi elaborado para que o produto final fosse uma bike com características muito atraentes e a um preço imbatível.

Ao contrário do que alguns pensam, o desenvolvimento da bicicleta foi muito longo. Sendo testado em laboratórios primeiro, e depois nos testes de campo, onde participei em treinamentos e competições para não só testar o material, mas também corrigir qualquer falha na configuração da Elite Carbon.

A Caloi equipou a bike com grupo SRAM X.0, que é leve, eficaz na parte de transmissão, principalmente pelo novo câmbio traseiro Type 2 . E possui os novos freios Avid X.0 2013, já com a nova plataforma, muito mais eficaz e potente do que a versão antiga do mesmo modelo.

A suspensão é a Rock Shox SID XX, com 100 mm e trava hidráulica na guidão, com espiga Tapered (cônica).

 
O quadro foi pensado de maneira que fosse confiável, rígido e funcional. Mesmo assim, o peso é atraente (cerca de 1,1kg). A entrada de freio é post-mount, head tube tapered, que faz uma grande diferença na pilotagem, além do cabeamento ser todo interno com guias,o que melhora não só a estética do quadro, mas também preserva o bom funcionamento das transmissões e freios e preserva o quadro, o que melhora ainda mais o visual da bicicleta que já tem um belo grafismo.

A Caloi Elite Carbon ainda vem equipada com pneus Continental Race King 2.2 de Kevlar, que são rápidos e acredito que sejam a melhor e mais abrangente opção, para o solo brasileiro.

As rodas são compostas por cubos SRAM X.9, raios de inox e aros de parede dupla. O escolha das rodas foi feita para oferecer uma roda mais rígida, já que na 29′ os raios são mais longos e uma roda mais frágil compromete muito o rendimento.

O selim é Fizik Tundra 2. Os componentes da conceituada Crank Brothers, como mesa, canote, guidão e manoplas modelo Cobalt 1, além dos pedais Egg Beater Candy da mesma marca.
O preço para o consumidor final sugerido pela Caloi é de R$ 7.999,00.

Personalização
Troquei os freios X.0 pelo XX. Os X.0 modelos de 2012 não estavam no nível da bike. E isso foi corrigido para a bike que chega no consumidor final, que terá o novo modelo X.0.

Fiz também uma alteração no selim, onde mantive o mesmo modelo – Fizik Tundra 2 –, mas com o trilho de carbono. Além disso, alterei o canote por um sem off-set. O modelo vem equipado com canote off-set, pois se encaixa melhor no perfil do consumidor da Elite Carbon. Também utilizo outras rodas em competições e alterei os parafusos de alguns componentes para parafusos de titânio, apenas para diminuir o peso.”

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

A vergonha que o Brasil passou na Olimpíadas


Infelizmente tivemos que passar por uma grande vergonha ontem (01/08) na prova de Contra-Relógio das olimpíadas.
Essa merda desse governo do nosso país, que só sabe desviar dinheiro para um monte de coisas que não prestam e que quer que nosso país seja a sede de jogos olímpicos, não tem a capacidade de mandar um uniforme descente para os nossos ciclistas que estão nos representando lá em Londres.
A CBC mandou somente um uniforme de “excelente” qualidade para nosso representante Magno Prado. A qualidade era tanta que o ziper abriu inteiro.
Eu fico com muita raiva por todos os brasileiros e pelo Magno, que teve que passar por uma situação como essas por conta dessa bosta de governo e dessa gestão de boteco que existe nesse país.
O certo, seria a nossa “querida” presidenta fazer um pedido formal de desculpas para o ciclista, assim como a CBC. Mas isso só vai acontecer dia que o coelinho da páscoa for avisar o Papai Noel que a fada do dente tá com febre…
É uma tristeza.
PraQuemPedala

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Kristin Armstrong confirma favoritismo e é bicampeã da crono; veja resultado completo

Norte-americana leva o ouro; prata fica com a alemã Judith Arndt; brasileira Clemilda Fernandes fica em 18º 
A norte-americana Kristin Armstrong vence crono em Londres
A norte-americana Kristin Armstrong, de 38 anos, venceu a prova de contrarrelógio olímpica nesta quarta-feira (1 de agosto) com o tempo de 37m34s. A ciclista é bicampeã olímpica da modalidade, já que também foi ouro em Pequim – 2008.


Em segundo lugar ficou a alemã Judith Arndt, que ficou 15s atrás.
A russa Olga Zabelinskaya (Rússia) levou o bronze, 22s atrás. A atleta havia ficado em terceiro lugar na prova de estrada realizada no domingo (29 de julho).
Linda Villumsen, da Nova Zelândia, ficou em quarto, seguida da canadense Clara Hughes em quinto.
A prova, com percurso de 29km, foi iniciada com a brasileira Clemilda Fernandes e reuniu 24 ciclistas. A brasileira ficou em 18º lugar.
CONFIRA O RESULTADO
1 Kristin Armstrong (EUA) 0:37:34.82
2  Judith Arndt (Alemanha) 0:00:15.47
3 Olga Zabelinskaya (Russia) 0:00:22.53
4 Linda Melanie Villumsen (Nova Zelândia) 0:00:24.36
5 Clara Hughes (Canadá) 0:00:54.14
6 Emma Pooley (Grã-Bretanha) 0:01:02.88
7 Amber Neben (EUA) 0:01:10.35
8 Ellen Van Dijk (Holanda) 0:01:18.86
9 Trixi Worrack (Alemanha) 0:01:45.91
10 Elizabeth Armitstead (Grã-Bretanha) 0:01:51.42
11 Pia Sundstedt (Finlândia) 0:02:26.87
12 Tatiana Antoshina (Russia) 0:02:37.67
13 Sarah Gillow (Austrália) 0:02:50.21
14 Emma Johansson (Suécia) 0: 03:03.74
15 Audrey Cordon (França) 0:03:05.69
16 Marianne Vos (Holanda) 0:03:05.97
17 Emilia Fahlin (Suécia) 0:03:41.04
18 Clemilda Fernandes Silva (Brasil) 0:03:50.57
19 Denise Ramsden (Canadá) 0:04:09.99
20 Elena Tchalykh (Azerbaijão) 0:04:12.24
21 Tatiana Guderzo (Itália) 0:04:14.12
22 Noemí Cantele (Itália) 0:04:16.36
23 Liesbet de Vocht (Bélgica) 0: 04:33.46
24 Ashleigh Moolman (África do Sul) 0:04:48.75

Clemilda Fernandes será a primeira ciclista a largar na crono; veja start list

Clemilda Fernandes será a primeira ciclista a largar na crono

A organização dos Jogos de Londres divulgou o start list da prova de contrarrelógio individual, que será disputada nesta quarta-feira (1º de agosto). A brasileira Clemilda Fernandes será a primeira atleta a largar, em frente ao Palácio de Hampton Court.
A prova das mulheres começa às  12h30 (8h no horário de Brasília) e reúne 24 ciclistas (seriam 25, mas a lituana Rasa Leleivyte, que testou positivo para EPO uma semana antes dos Jogos, foi retirada).
A prova masculina, que começa às 14h15 (10h15 no horário de Brasília), terá 37 ciclistas (seriam 40, mas desistiram de participar o argentino Maximiliano Richeze, o turco Ahmet Akdylek e o australiano Cadel Evans) . O marroquino Mouhcine Lahsaini será o primeiro. O brasileiro Magno Nazaret será o quarto a largar.
Serão 44 km para os homens e 29 km para as mulheres, com intervalos de 90 segundos entre as saídas.
AGENDE-SE
CONTRARRELÓGIO – Palácio Hampton Court

(Horário de Brasília)
1º de agosto – 8h30-10h15 – Feminino
1º de agosto – 10h15-12h05 – Masculino
START LIST
FEMININO
Clemilda Fernandes Silva (Brasil)
Pia Sundstedt (Finlândia)
Liesbet De Vocht (Bélgica)
Ashleigh Moolman (África do Sul)
Audrey Cordon (França)
Tatiana Antoshina (Rússia)
Elena Tchalykh (Azerbaijão)
Tatiana Guderzo (Itália)
Denise Ramsden (Canadá)
Olga Zabelinskaya (Rússia)
Emilia Fahlin (Suécia)
Trixi Worrack (Alemanha)
Noemi Cantele (Itália)
Shara Gillow (Austrália)
Ellen Van Dijk (Holanda)
Elizabeth Armitstead (Grã-Bretanha)
Emma Johansson (Suécia)
Âmbar Neben (Estados Unidos)
Emma Pooley (Grã-Bretanha)
Clara Hughes (Canadá)
Linda Villumsen (Nova Zelândia)
Marianne Vos (Holanda)
Judith Arndt (Alemanha)
Kristin Armstrong (Estados Unidos)
MASCULINO
Mouhcine Lahsaini (Marrocos)
Tomas Gil Martinez (Venezuela)
Ahmet Akdilek (Irã)
Magno Prado Nazaret (Brasil)
Fumiyuki Beppu (Japão)
Assan Bazayev (Cazaquistão)
David McCann (Irlanda)
Lars Ytting Bak (Dinamarca)
Michael Albasini (Suíça)
Fabio Andres Duarte (Colômbia)
Lars Boom (Holanda)
Jack Bauer (Nova Zelândia)
Janez Brajkovic (Eslovénia)
Maciej Bodnar (Polónia)
Philippe Gilbert (Bélgica)
Alexandr Vinokourov (Cazaquistão)
Ryder Hesjedal (Canadá)
Jonathan Castoviejo (Espanha)
Jakob Fuglsang (Dinamarca)
Nelson Oliveira (Portugal)
Edvald Boasson Hagen (Noruega)
Ramunas Navardauskas (Lituânia)
Denis Menchov (Rússia)
Lieuwe Westra (Holanda)
Vasil Kiryienka (Bielorrússia)
Gustav Larsson (Suécia)
Michael Rogers (Austrália)
Bert Grabsch (Alemanha)
Sylvain Chavanel (França)
Christopher Froome (Grã-Bretanha)
Marco Pinotti (Itália)
Luis León Sánchez (Espanha)
Taylor Phinney (Estados Unidos)
Tony Martin (Alemanha)
Bradley Wiggins (Grã-Bretanha)
Fabian Cancellara (Suíça)
Daniela Prandi/Bikemagazine
Foto de divulgação

terça-feira, 31 de julho de 2012

Trilha Eco - Conheça Pernambuco de Bike



Entrevista: Nícolas Sessler

Biker, medalha de bronze na Copa do Mundo, é a principal revelação do MTB nacional


Nascido na cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, Nícolas Sessler é um dos principais valores da nova geração de bikers no Brasil. Basta olhar o feito do jovem de 17 anos, que recentemente conquistou a medalha de bronze em uma etapa da Copa do Mundo de MTB.

Atualmente na equipe Scott-Fittipaldi, Sessler é revelação de um projeto incentivado e patrocinado pela empresa em solo nacional, tendo o apadrinhamento e a colaboração de grandes nomes do esporte.

Nesta semana, de olho no Campeonato Mundial, o campeão nacional na categoria Junior viajou para a Europa, onde fará a preparação para a competição. Sessler irá treinar na Itália, para aprimorar seus treinos na altitude, e Suíça, onde disputa a Swiss Cup. Depois, no dia 08 de setembro, segue para a Áustria na disputa do Mundial.

Já em solo europeu, Nícolas Sessler conversou com o Prólogo e falou sobre o início de carreira, relembrando as dificuldades de conciliar o esporte e os estudos, analisou o atual momento do MTB brasileiro e revelou que ainda tem muito em que evoluir, sonhando em conquistar ainda mais títulos no futuro próximo.

Prólogo: Tem apenas 17 anos, como administra seu tempo em relação aos estudos? 

Nícolas Sessler: 2011 foi um ano bastante puxado neste sentido, pois era meu último ano de colegial e tinha o vestibular pela frente. Com certeza ambos os lados (esporte e estudos) acabaram um pouco prejudicados, mas no final tudo deu certo e consegui ser aprovado em uma boa faculdade (Administração de empresas na USP) além de conquistar bons resultados nas pistas. 
Este ano ainda estou me adaptando à nova escola e tenho tido algumas dificuldades com relação à quantidade de faltas no decorrer do semestre. Tenho procurado conversar com os professores buscando a compreensão deles e um apoio.

P: Como é sua rotina de treinos? Onde começou a desenvolver e lapidar suas qualidades no MTB?
NS: Tenho um grande problema para realizar bons treinos de MTB, pois moro em uma região pouco propícia para a prática deste esporte. A região de Ribeirão Preto é relativamente plana e com muitas plantações de cana-de-açúcar. Com certeza isto dificulta muito a boa preparação, pois não tenho como desenvolver o lado técnico como deveria.
Noventa por cento da minha preparação é realizada na bike de estrada o que me fornece um bom preparo físico, mas deixa a desejar no quesito técnica. Talvez o que me ajude muito é que quando estava começando a pedalar, costumava fazer um “freeride” leve com alguns amigos. Acredito que isto pode ter me ajudado a ter um melhor controle da bicicleta.

P: Mas quando iniciou sua ligação com o Mountain Bike?
NS: Comecei a pedalar meio por “acaso”. Com 10 anos de idade, um amigo de meu pai sofreu uma contusão no joelho e foi-lhe recomendado a bicicleta como meio de ajuda na recuperação. Ele então convidou meu pai e a mim para lhe acompanharmos. Assim, peguei gosto pelo esporte e o pratico desde então. 
A primeira competição foi dois anos depois em 2006. O que acredito que foi o grande incentivo para continuar, foi que logo nesta primeira prova, já me sagrei vencedor! Mas considero que quando realmente comecei a levar as competições mais a sério foi em 2008, ano em que passei a participar de um calendário de provas no decorrer da temporada. 

P: A Scott, há anos, trabalha num projeto para revelar talentos da modalidade. Como avalia essa nova geração de bikers?
NS: Realizar um trabalho sólido na base do esporte é essencial para o crescimento do mesmo. Os países como França e Suíça que hoje dominam o cenário internacional não estão nesta posição por acaso. Basta olharmos o investimento que é realizado nos atletas jovens e crianças nestes países. 
Realmente a Scott vem sendo uma grande parceira nos últimos anos e temos um projeto muito bom pensando no desenvolvimento para o futuro. Alguns frutos deste trabalho já estão sendo colhidos, mas esperamos que seja apenas o começo de muito ainda por vir.

P:Como vê o atual momento do Mountain Bike nacional? 
NS O Mountain Bike tem crescido consideravelmente no Brasil e o número de praticante aumentou bastante nos últimos anos. Contudo, no cenário de competição, ainda estamos bastante abaixo das principais potências do esporte. Acredito que muito devido ao baixo nível técnico e competitivo das provas nacionais. Precisamos de pistas mais tecnicamente mais exigentes e de mais atletas disputando em alto nível principalmente nas categorias de base. Assim pode-se evoluir pensando em longo prazo. 

P: Recentemente, a equipe de Pindamonhangaba investiu em um time de MTB. Acha que isso pode ser uma tendência no futuro?
NS: Sinceramente, não estou muito “a par” desta situação. Acredito que seja mais um investimento pensando nos Jogos Regionais e Abertos do estado de SP uma vez que o MTB passou a ser incluído como modalidade oficial. Muitas cidades como Santos, Ribeirão Preto, Jacareí e outras vêm fazendo algo parecido.

P: Lidar com a pressão já é algo rotineiro pra você?
NS: Ah... sim e não (risos). Sempre procuro me concentrar ao máximo antes das provas que considero importante. Porém eu costumo me cobrar bastante um bom desempenho o que nem sempre é algo positivo. Com toda certeza ainda tenho muito o que aprender, mas tenho procurado manter a tranquilidade e concentração durante as provas para tirar o máximo de desempenho que sou capaz. 



Por Tadeu Matsunaga 
Para o site Prólogo

Bicicross terá 48 atletas; Renato Rezende e Squel Stein defendem Brasil

Competição será realizada entre os dias 8 e 10 de agosto
Renato Rezende disputa prova de bicicross nos Jogos de Londres
A competição olímpica de bicicross será disputada entre os dias 8 e 10 de agosto em Londres. O BMX estreou como modalidade olímpica em 2008, em Pequim.
Nesta edição, a prova vai reunir 48 atletas – 32 homens e 16 mulheres. Do Brasil, estão na disputa Renato Rezende e Squel Stein, que treinaram para a competição em pista de supercross na Argentina.
Pista de bicicross construída para os Jogos de Londres
A pista tem cerca de 450 metros de extensão e foi construída com 14 mil metros cúbicos de terra, o suficiente para encher três piscina olímpicas.
O circuito fica bem ao lado do velódromo, com um gate de largada a 8 metros de altura e as arquibancadas que comportam seis mil espectadores. Após os Jogos, a pista será entregue para uso público.
Bikers em evento teste para a prova de bicicross olímpica
As corridas que testaram o percurso foram nos dias 19 e 20 de agosto. A britânica Shanaze Reade confirmou o favoritismo e venceu, mesmo tendo caído nas eliminatórias. No masculino a vitória ficou com o neozelandês Marc Willers, numa prova super-rápida de apenas 41.847 segundos.

A maior aventura de MTB já registrada em filme: Where the trail ends

Esse filme produzido pela Red Bull registrou a busca de alguns MTBikers pelas trilhas mais desafiadoras do mundo.
Eles lançaram essa semana o trailer completo do vídeo. O filme será lançado em setembro. Para mais informações, clique aqui: Where the trail ends

Pedal Ciclo Mania: Cacimba de Baixo 29-07-12

No último final de semana a turma do pedal esteve presente mais uma vez em seus passeios semanais.

Dos tantos participantes do grupo que sempre se faz presente em nossos pedais, esta semana só contamos com três guerreiros que não deixaram morrer o já tradicional Pedal Ciclo Mania que todos os finais de semana junta os amigos para curtirem a vida de modo saudável e diferente.

Desta vez estiveram presentes Alex rocha, Vicente Viana e Nilton Lima que saíram com destino a Cacimba de Baixo onde foram muito bem recebidos pelo nosso amigo Paulinho de Apolônio que abriu as portas de seu sítio para que nossos ciclistas pudessem curtir um pouco das "velharias" que o Paulinho guarda com tanto amor em seu Museu Particular, entre estas velharias temos algumas bicicletas antigas que estão em perfeitas condições de uso. 

E para não passar em branco, o passeio foi registrado por Alex e Nilton que sempre estão com suas câmeras em mãos fazendo com que estes passeio fiquem marcados de alguma forma e assim, possam ser divulgado aqui em nosso Blog.

Logo na primeira foto podemos ver que a camisa do Ciclo Mania ficou legal e ainda vai ser fotografada muitas vezes nos muitos passeios que virão por aí!













                   






                 



                  

Apezar de um grupo resumido neste pedal, foi muito gratificante, pois
 encontramos uma fazenda de propriedade de Paulinho de Apolonio
onde lá tinha alguns objetos antigos comfira as fotos.   ( Alex Rocha )



Distancia percorrida