Subscribe:

Parceiros

.


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Como prevenir cãibras musculares com dicas simples

Foto: Divulgação
Para evitar espasmos dolorosos, é recomendado aumentar o consumo de alimentos ricos em potássio e de magnésio e de realizar massagens e alongamentos na área afetada.

Cãibras musculares são espasmos que ocorrem quando o músculo contrai involuntariamente. Eles são mais comuns durante a noite, ou após o exercício, e pode ser muito doloroso. Aqui, vamos falar sobre os alimentos, nutrientes e suplementos que podem ajudar a preveni-los, e, consequentemente, melhorar a saúde muscular.

Magnésio

Sempre que falamos de saúde muscular, pensamos também de magnésio. Seu mineral é, infelizmente, não muito presente em nossas dietas devido a maus hábitos, e também a má qualidade do produto colhido hoje. O magnésio pode ser tomado como um suplemento, tal como cloreto ou citrato.

Estes alimentos contêm também de magnésio:

  • Folhas verdes
  • Cacau
  • Frutas secas
  • Ervilhas
  • Abacate
  • Arroz integral
  • Bananas

Potássio

O potássio é outro mineral que nossos músculos precisam. T seu mineral é equilibrada com o sódio, e porque nossas dietas são pesados em sódio, os nossos pratos muitas vezes são desequilibrados com o potássio também.

Foto: Divulgação
Quais os alimentos que são ricos em potássio?

  • Tomate
  • Bananas
  • Germe do trigo
  • Frutas secas
  • Batatas
  • Ruibarbo
  • Melões

Uma boa maneira de se certificar de que todos os dias recebemos bastante magnésio, cálcio e outros minerais, é comer uma salada com folhas verdes, frutos secos, sementes de girassol, e brotos.

Você também pode usar alho esmagado para temperar seus pratos.

Suplementos naturais

Viburnum tintura: esta tintura do arbusto viburnum é uma opção vegetal para combater cólicas. Beber 1 colher de chá. em água, até 3 vezes por dia.

Rusco: Rusco é uma planta que ajuda a melhorar a circulação, contribuindo para cãibras prevenção. Levar 7 a 11 mg de Rusco extrair um dia.

Rosemary: Nossa dieta do não pode ficar sem um circulatório potente como alecrim.

Banhos frios para as pernas

Termalismo, ou terapia com diferentes temperaturas de água, pode ser muito útil para melhorar a circulação. Neste caso, use água fria, realizando o seguinte debaixo do fluxo de água:

1. Rub água até a borda externa da perna direita.
2. Abaixe a água da parte interior da perna direita.
3. Esfregue água até a borda externa da perna esquerda.
4. Quando você chegar ao seu joelho, ter um momento para voltar para o seu joelho direito, e depois voltar para o joelho esquerdo, para continuar para baixo.
5. Faça o seguinte padrão com os lados de trás das pernas. Você não precisa mudar joelhos.
6. Quando secar as pernas, use uma toalha áspera e esfregar a pele um pouco, de baixo para cima.

Exercícios, alongamentos e massagens

Tão importante quanto a nossa dieta, é o exercício diário, mas não muito agressiva.   Andar, nadar ou andar de bicicleta, enquanto alongamento dos músculos após o exercício, é uma grande rotina.

Por fim, você também pode dar-se massagens, onde você costuma receber cãibras.   Se possível, consulte um fisioterapeuta ou e osteopata, mas você também pode fazer isso sozinho, se a área permite. Para massagem, use uma base de óleo de gergelim, e adicione algumas gotas de óleo essencial das seguintes plantas: hamamelis, alecrim .Depois de terminar, cobrir a área com toalhas e deixar os músculos descansar por pelo menos 15 minutos, para manter o calor na área.

Fonte: Meio Ambiente Rio

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

EcoHelmet, o capacete de papel

Uma designer industrial norte-americana desenvolveu um capacete de baixo custo para ser vendido em pontos de aluguel de bike e que pode ser reciclado após o uso. Feito totalmente de papel cartão, ele é dobrável, o que facilita o seu transporte quando não está em uso, e segundo os desenvolvedores, absorve os impactos tanto quanto os capacetes de isopor.

Ciclismo queima até 400 calorias por hora e ajuda a combater o estresse

Entre os benefícios também está a melhora no condicionamento cardiovascular, além do auxílio para equilibrar a pressão e os níveis de triglicérides


Uma das atividades físicas mais completas, o ciclismo promove o condicionamento físico e ajuda a queimar até 400 calorias por hora. O exercício também é muito indicado como treino complementar para quem pratica corrida, por trabalhar bem a região da coxa e fortalecer as pernas, os glúteos e o abdômen.

Entre os benefícios também está a melhora no condicionamento cardiovascular, além do auxílio para equilibrar a pressão e os níveis de triglicérides. Para quem busca uma queima calórica é importante observar o esforço durante o exercício e o ritmo dos batimentos cardíacos.

Mas há quem encontre no ciclismo uma forma de contato com a natureza, o que também inclui benefícios emocionais e traz melhora na qualidade de vida.  Já quem utiliza a bike como meio de transporte, além da economia, contribui para a diminuição da emissão de poluição no ambiente.

Uma das principais lojas do segmento, a Celeiro possui diversas opções de bicicletas, além de assistência técnica e equipamentos essenciais para quem busca adotar o ciclismo, seja como atividade física ou como meio de transporte. A loja oferece bicicletas para iniciantes e profissionais, com uma consultoria especial para quem não sabe o modelo ideal que deve adquirir, considerando sempre qual será a prática a ser adotada.

Fonte: Folha Vitória

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Como pedalar com a sua família!

Pedalar em família é uma grande diversão . Trata-se de um tempo precioso juntos , desfrutando de ar fresco e fazendo exercício.


E por isso as ciclofaixas de lazer são um sucesso de público, chegando a ter mais de 150.000 frequentadores por domingo, em São Paulo!

E o segredo para que esta atividade funcione bem é, literalmente, “pensar pequeno”.

Você deve limitar a distância a percorrer não em quilômetros, e sim em tempo, procurando realizar seu passeio entre uma ou duas horas, incluindo as paradas. Foque no proveito que seus filhos terão no passeio, e não somente no ato de pedalar, ou seja, pense nesta atividade como um passeio com seus filhos onde a bicicleta é uma das atividades, e não a única (e se você não conseguir pensar e agir assim, melhor pedalar sozinho!)

Planeje parar constantemente! Se houver uma pequena praça ou um parque com equipamentos infantis no seu caminho, isto pode revigorar e entreter muito as crianças pequenas. Um agradável café, uma lanchonete ou bar pode ser ideal para famílias mais adultas. Inclusive você pode até planejar um piquenique durante seu trajeto!

Normalmente as crianças menores precisam de mais paciência com elas do que de muito entretenimento. E como o objetivo é passear e se divertir, lembre-se que na bicicleta você pode parar quando quiser. Então pare assim que perceber cansaço nelas, e procure pedalar em velocidade baixa, destacando para as crianças algo interessante nas paisagens do trajeto.

Se os seus filhos aproveitarem o passeio, você também vai aproveitar. Então procure agradá-los! Muitas vezes as crianças estão muito mais interessadas no sorvete que elas vão tomar do que no cenário agradável. Um passeio prejudicado pelo mau tempo pode ser salvo por uma guloseima surpresa em alguma padaria.


Planeje sempre a sua rota!

Você pode pesquisar e planejar a rota de seu passeio em websites e guias impressos. Se puder, tenha também a mão um mapa impresso em grande escala. Assim você pode não apenas traçar a sua rota com antecedência, como também usar o mapa para eventuais atalhos. E, se alguém estiver ficando cansado, o mapa ajuda você a mostrar a localização do grupo e dizer: “Olha, estamos quase lá. O almoço é logo depois desta rua”!. Você pode obter estes mapas junto ao órgão de turismo de sua cidade, ou mesmo imprimí-los a partir de websites.

Mesmo com um bom mapa em mãos, se possível, conferira a rota sozinho pedalando-a de antemão. Assim você saberá o que esperar com um nível de detalhe que nenhum mapa ou guia vai te proporcionar. Desta forma você saberá previamente onde fica o café mais agradável, o parque mais interessante para um piquenique ou mesmo o local mais apropriado para uma parada estratégica. E este conhecimento pode ser inestimável.

Se não houver ciclovias ou ciclofaixas de lazer reservadas em sua cidade, procure sempre pedalar por ruas sem trânsito, mesmo que elas tornem seu percurso mais longo. Estas ruas não só favorecem sua segurança, como também são bem menos barulhentas do que as grandes vias, favorecendo inclusive a comunicação entre o grupo.

Rotas “off-road” são ideais quando os seus filhos já pedalam suas próprias bicicletas. Estes caminhos podem estar até mesmo dentro de parques de sua cidade, tornando o passeio bem rico e variado. Só evite as grandes subidas e descidas, que podem acarretar cansaço ou mesmo acidentes.

Seja qual for o caminho que você escolher, não superestime o quão rápido ou quão longe sua família pode pedalar. Calcule uma velocidade média de 8 a 13 km/h, e inclua as paradas em seu cálculo. De posse destas informações, você pode estimar sua rota em termos de distância, lembrando também de prestar atenção na altimetria (relevo: subidas e descidas) do trajeto. Lembre-se de sempre nivelar “para baixo” suas expectativas, para evitar problemas de cansaço e perda de interesse do grupo.

Preparação pré- viagem

“Vamos parar? Meu bumbum está doendo!” Você com certeza não quer ouvir isso. Portanto, inicialmente verifique se todos estão com as vestimentas adequadas, se possível com roupas técnicas de ciclismo, principalmente aquelas famigeradas bermudas de lycra com “almofada” entre as pernas, que ajudam em muito a diminuir o desconforto no bumbum. Verifique também a posição do ciclista sobre a bicicleta com relação ao guidão, pedias e selim.

Certifique-se de que todas as bicicletas estão em bom estado de funcionamento, verificando-as pelo menos na noite anterior – ou mais cedo, para evitar surpresas desagradáveis. Verifique se os pneus estão inflados corretamente, se todos os parafusos das partes móveis (rodas, guidão, pedais e demais partes) estão bem apertados, e se os freios e as engrenagens funcionam bem. Se você deixar para fazer este “check list” antes de sair, as crianças certamente se cansarão e podem se rebelar, estragando assim o passeio.

Lembre-se também dos equipamentos de segurança individual, tais como capacete, óculos de proteção e luvas. E no caso de transporte de crianças em sua própria bicicleta através de “cadeirinhas” apropriadas, verifique se a mesma está bem presa e ajustada a altura e peso de seu filho.

Como ciclista mais forte e experiente, você deve carregar toda bagagem – desde as jaquetas e demais itens de vestuário, até o kit de ferramentas e itens do piquenique. Distribua bem sua bagagem, e se possível, tenha cestos ou alforges de fácil acesso instalado em sua bicicleta, evitando mochilas. Assim quem transporta a carga é a bicicleta, e não você.

Não saia de casa sem:

  • - Abundância de bebidas! Água em garrafas de bicicleta é sempre  melhor, pois além de matar a sede, ela também pode ser usada para lavar as mãos ou a arrefecer o rosto.
  • - Barras de cereais , frutas, biscoitos, e guloseimas sem muita gordura e de fácil digestão. Sanduíches de peito de peru e queijo divididos em pequenos pedaços são altamente recomendáveis!
  • - Camadas extras de roupas! Jaquetas do tipo “corta vento”, casacos impermeáveis, e calças são bem aceitáveis, pois as vezes as condições climáticas mudam de repente e podem nos pegar literalmente de “calças curtas”!
  • - Roupas sobressalentes sempre, principalmente para as crianças!
  • - Kit de ferramentas para manutenções rápidas, bomba de pneus, kit de reparos de furos e câmara de ar reserva. O ideal são aqueles “canivetes” próprios para bike.
  • - Kit de “primeiros socorros”. Band-Aids, creme anti-séptico, analgésicos, bronzeadores com alto fator de protetor solar, lenços umedecidos e demais medicações de uso constante.
  • - Telefone celular e, principalmente,
  • - Distrações para as crianças, por exemplo bola de tênis, e bonequinhos do tipo “action figure”.

E, acima de tudo, leve seu espírito esportivo e todo seu clima de diversão!

Fonte: Eu Vou de Bike

10 razões para namorar um ciclista

Se apaixonar por quem pedala trará uma nova dinâmica para a sua vida.


Reunimos algumas razões para você namorar um (a) ciclista. É isso mesmo: se apaixonar por quem pedala trará uma nova dinâmica para a sua vida.

Confira 10 razões para se apaixonar e pedalar lado a lado de um ciclista:

1. Eles/ elas são mais saudáveis
Sem entrar no mérito de porte físico, ninguém pode negar que pedalar te deixa com a saúde em dia. Um estudo da National Cycle Network aponta que os ciclistas, em comparação com os usuários de outros meios de transporte, costumam ficar 50% menos afastados do trabalho por causa de doenças.

2 . Eles/ elas são bons parceiros
Na maior parte do mundo, os ciclistas são minoria. Portanto, em todas as cidades formam-se grupos de amigos que, unidos pela bicicleta, desenvolvem valores essenciais, como respeito, cumplicidade e companheirismo.

3. Eles/ elas são determinados
Você acha que pedalar em cidades grandes é a coisa mais simples do mundo? Tem dia em que chove muito e outros em que o frio é cortante. Há ainda alguns obstáculos, como ruas esburacadas e ciclovais mal sinalizadas. Mas… determinados que são, os ciclistas sabem que os poucos dias estranhos são recompensados pelos dias incríveis – e pela inigualável sensação de pedalar.

4. Eles/ elas são mais inteligentes
É isso mesmo. Um estudo da MindLab diz que os ciclistas são 13% mais inteligentes do que as pessoas que não pedalam.

5. Eles/ elas são mais bondosos
O mesmo levantamento da MindLab aponta que ciclistas são 10% mais propensos a serem voluntários ou fazerem doações para a caridade.


6. Eles/ elas têm metas
Quando o ciclista urbano passa a curtir competições que envolvem a bicicleta pelo simples prazer de estender sua vida pedalante, surge um foco para cumprir metas como “Pedalar 200 km no Audax” ou “ganhar o concurso de subidas em SP”. Para o par desse ciclista, essa característica é pura vantagem.

7. Eles/ elas são desbravadores
Quem pedala geralmente gosta de se perder um pouco, de seguir caminhos diferentes. Assim, o ciclista conhece cantinhos especiais da cidade e certamente vai te levar até um charmoso café, que terá um paraciclo para vocês estacionarem suas bikes lado a lado.

8. Eles/ elas gostam de viajar
O prazer desbravador se estende para o período de férias. Afinal, descobrir um país em cima de uma bicicleta proporciona experiências únicas ao ciclista. Imagina um amor desses ao seu lado? Imagina os selfies?

9. Eles/ elas são organizados
Cuidar da manutenção de uma bicicleta – principalmente para quem a usa além do deslocamento diário – exige disciplina e conhecimentos técnicos para manter a magrela em dia. A vantagem: essas habilidades podem facilmente ser usufruídas no conforto de seu lar.

10. Eles/ elas vão mudar a sua vida
Quando você começar, eventualmente, a pedalar junto com o seu amor, rapidamente vai notar um brilho diferente no seu próprio olhar. É que uma nova paixão vai surgir, sem competir com o amor entre vocês: a paixão pela bicicleta.

Fonte:Movimento Conviva

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Ciclovia vai ligar Cascavel a Foz do Iguaçu - 160 km de incentivo para ecoturismo


Uma ideia lançada na gestão do ex-presidente da Acic (Associação Comercial e Industrial de Cascavel) José Torres Sobrinho começa a ganhar corpo e simpatizantes em toda a região. É a criação de uma ciclovia às margens do Parque Nacional do Iguaçu no trajeto entre Cascavel e Foz do Iguaçu. Com 160 quilômetros de extensão, ela percorreria, a partir de Céu Azul, a antiga estrada de Guarapuava, que durante muitas décadas, no início do processo de colonização, ligava a região Central ao Extremo-Oeste do Paraná.

Muito mais do que uma ciclovia para incentivar a prática do esporte, a obra passaria a ser um símbolo da integração entre Cascavel e Foz e de todo o oeste, conforme Torres.

Inicialmente, a proposta era de levar a ciclovia de Cascavel a Espigão Azul. O ex-presidente apresentou a sugestão ao então secretário estadual de Esportes, Evandro Roman (hoje deputado federal), que sugeriu uma alteração de rota, de Cascavel a Céu Azul e, com isso, captar recursos do Parque Nacional. Depois, em novas reuniões e com o envolvimento de ciclistas, o percurso defendido passou a ser de Cascavel a Foz.


“Além de tudo isso, a ciclovia seria uma ferramenta de estímulo ao ecoturismo, à gastronomia regional e à proteção do meio ambiente”, complementa o atual presidente da Acic Alci Rotta Júnior. O projeto é difundido pela associação comercial e já foi apresentado a diretores da Itaipu, que se mostraram bastante receptivos e animados com a proposta. Há simpatia também da Fecomércio.

Fonte: AN6

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Veja 8 dicas para evitar roubos e furtos de bicicletas


Pedalar sempre em grupo. Essa é uma das principais dicas que especialistas dão para que ciclistas evitem ser furtados ou roubados. Com o número de casos de furto e roubo de bicicletas crescendo na cidade de São Paulo, algumas medidas preventivas são necessárias para a proteção de quem usa a bicicleta para o lazer, para o trabalho ou para se exercitar.

A partir dos dados obtidos pelo "Fiquem Sabendo", o UOL consultou especialistas em segurança pública e cicloativistas sobre como quem pedala pelas ruas paulistanas pode se precaver. Eles listaram oitos dicas:

1 – Evitar trafegar sozinho

Para o especialista em segurança pública e coordenador do Cepedes (Centro de Pesquisa em Direito e Segurança) Fabrício Rebelo, é interessante buscas a companhia de outros ciclistas. "E que eles mantenham distância entre si "para evitar que uma abordagem possa render todos juntos".

2 – Orientar os integrantes de um mesmo grupo

Assim, é possível "acionar o policiamento assim que vir algum ataque", segundo Rebelo. Para Fabio Petrillo, da loja Bike Runners e do grupo paulistano Tatu de Bike, pedalar em grupo também ajuda a inibir a possibilidade de roubos.

3 – Não comprar peças sem procedência

O "mercado de crimes" é alimentado por produtos provenientes de roubo, salienta o especialista em segurança Bene Barbosa. Rebelo complementa: "a facilidade de repasse no mercado ilegal potencializa o interesse dos criminosos sobre quem as utiliza".

4 – Não trafegar por vias com baixa iluminação, locais ermos

"Se possível, prefira trajetos com maior policiamento", sugere Fabrício Rebelo, do Cepedes. "E, quando sozinho, procure locais bem iluminados", acrescenta Petrillo.

5 – Planejar o trajeto

Uma das maneiras de evitar surpresas durante sua pedalada é saber a segurança do trajeto que irá fazer, sugere a cicloativista Talita Noguchi, do Las Magrelas. Planejar o trajeto também é importante para evitar "algumas rotas em que se sabe que há perigo", comenta Petrillo.

6 – Prestar atenção

O especialista em segurança Fabrício Rebelo pede que se evite passar perto de pessoas com atitude suspeita e se tenha atenção ao circular "junto a árvores e barracas ou outros obstáculos atrás dos quais possa haver alguém escondido". "Na dúvida, desconfie e redobre sempre a atenção".

7 – Usar travas de qualidade

Ao estacionar sua bicicleta, garanta que ela esteja bem presa. "Está se tornando comum arrombar cadeados", comenta Talita. Ela sugere o uso de travas em U-lock. Além disso, é interessante evitar deixar a bicicleta estacionada em locais longe de sua visão por horas, sugere Petrillo, do Tatu de Bike.

8 – Comunicar as autoridades de segurança

É importante fazer o boletim de ocorrência, aponta o especialista em segurança Bene Barbosa. "Assim, há o registro na Secretaria de Segurança Pública". Isso também permite que o caso passe a integrar as estatísticas que formam as chamadas "manchas criminais", observa Rebelo. "Elas servem de balizamento para a definição das rondas de patrulhamento".

Episódio

Petrillo já esteve frente a frente com um integrante de uma quadrilha que roubava bicicletas. "Um homem chegou aqui na loja querendo vender uma bicicleta. Ela valia cerca de R$ 50 mil, mas disse que pagaria R$ 10 mil. Ele quis fechar por R$ 12 mil".

Um capitão da polícia foi avisado e um flagrante, armado. O homem e o grupo ao qual pertenciam foram presos. "E, com os dados da bicicleta, conseguimos devolvê-la ao dono", relembra.

Para aumentar a tranquilidade do ciclista que teve sua bicicleta roubada, Petrillo sugere que, no caso das mais caras, seja feito um seguro. "Para uma bicicleta de R$ 3 mil, o seguro sai por cerca de R$ 300 por ano".

No caso das mais baratas, há a possibilidade de se usar no veículo um selo de segurança, que contém código de barras. "Assim, caso encontrem a bicicleta, é possível identificar o dono. Um aplicativo o aviso de que ela foi encontrada".

Responsabilidade do Estado

Daniel Guth, diretor-geral da Ciclocidade (Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo), preferiu não dar dicas. Ele argumentou dizendo que a responsabilidade por segurança não deve ser do ciclista, mas do poder público. "Se focarmos no que o ciclista deveria fazer [para ter segurança], nós estaremos subvertendo a ordem". A organização está em contato com a SSP (Secretaria de Segurança Pública) paulista para uma conversa a respeito de políticas públicas para melhorias na segurança.

Os números apresentados pela SSP, segundo Guth, também estariam subestimados. "Alguém que tem uma bicicleta de R$ 80 roubada tem a mesma motivação para fazer um boletim de ocorrência que uma pessoa que tem uma de R$ 5 mil?", questiona o ativista.

Na opinião de Talita Noguchi, do Las Magrelas, é importante saber o porquê dessa criminalidade. "O que o governo, o Estado está fazendo que leva a essa situação? Se o poder público não tomar uma atitude, isso não tem como ser parado", diz a cicloativista. "Temos uma realidade de sociedade fragilizada, para a qual a autoproteção não faz parte do cotidiano, e o policiamento é insuficiente para prover a segurança integral do cidadão", analisa o especialista em segurança Fabrício Rebelo.

Guth foca na melhoria da segurança pública para que casos de roubo de bicicletas diminuam. "A cidade precisa mudar, as políticas públicas precisam mudar. Temos que perseguir uma sociedade que inclua as pessoas".

Fonte: UOL Notícias

5 sinais de que é necessário praticar exercícios físicos

Preparador físico mostra indícios que precisam ser levados a sério para se manter saudável


Praticar atividades físicas traz benefícios muito mais importantes do que apenas emagrecer. Ter uma vida saudável é importante para viver mais e com mais qualidade de vida. O preparador físico Vinícius Possebon, criador do Programa “Queima de 48 Horas”, ensina que não são necessárias longas horas na academia para isso. “Treinos de 5 a 15 minutos são suficientes para tirar uma pessoa do sedentarismo”, explica.

Com base em seu programa de homefitness, o Q48, cuja plataforma está com uma área de membros atualizada, e que permite realizar atividades físicas em qualquer lugar e sem o uso de pesos ou equipamentos, o especialista destaca que não é necessário ser um grande atleta para ser saudável. “Qualquer um pode começar a praticar exercícios, sempre respeitando seu tempo e as pausas necessárias para descanso sempre que o corpo pedir”, ensina, reforçando a importância de não desistir. “Continue a praticar exercícios diariamente, que a resistência passa a ficar maior com o tempo”. Possebon também lembra que a comunidade do Q48 também funciona como forma de ajudar as pessoas a não se sentirem sozinhas, criando um importante senso de coletividade.

Pesquisa: os malefícios de ficar parado

Recentemente, uma pesquisa publicada na revista científica Lancet indicou que as pessoas que passam 8h por dia sentadas, e nem praticam atividades físicas, aumentam em 60% os riscos de morte prematura. Esta mesma pesquisa estima que o sedentarismo custa US$67,5 bilhões de dólares por ano à economia global. “Esse valor faz sentido, já que as pessoas sedentárias tendem a gastar muito mais dinheiro com remédios e tratamentos médicos”, conta Possebon.

Para facilitar aos que ainda não praticam atividade física, o especialista listou os 5 sinais de que é necessário começar a fazer exercícios.

Cansaço no fim do dia
Um dos sinais mais claros de sedentarismo é o cansaço extremo no fim do dia. “As pessoas que não praticam atividades físicas acabam se sentindo muito mais cansadas ao fim de um dia de trabalho”, explica Possebon. “Ao se exercitar, o seu corpo fica muito mais disposto e você não termina o dia com aquela sensação de que um caminhão passou por cima de você”.

Stress diário
A prática de exercícios faz com que o corpo produza mais serotonina e endorfina, entre outros hormônios que trazem a sensação de bem-estar. “Quem está sempre nervoso ou bravo com as tarefas do dia a dia e não faz atividades físicas, com certeza vai se sentir melhor após começar”, alerta.

Sobrepeso
Característica mais óbvia dos sedentários, o excesso de peso também pode trazer outros problemas de saúde além da estética. “Pessoas acima do peso ou obesas têm muito mais chances de ter problemas cardíacos e de circulação, entre muitas outras doenças”, alerta o preparador físico, cujo programa promove o emagrecimento de, em média, 1 a 3kg em até 10 dias.

Falta de fôlego em atividades simples
Outro importante indício de que o corpo precisa fazer atividades físicas é a falta de fôlego com pequenos esforços. “Se você fica ofegante ao subir um ou dois lances de escada, ou depois de correr por menos de 10 metros para pegar o ônibus, isso indica que seu corpo precisa de mais resistência”, sugere Possebon.

Sono leve ou noites mal dormidas
Por fim, o preparador físico destaca que as atividades físicas ajudam as pessoas a terem mais qualidade de sono. “Se você dorme mal e quando acorda já está cansado, a prática de exercícios pode ser a melhor solução para melhores noites de sono, e por consequência, mais qualidade de vida”, conclui o especialista.

Fonte: Sigma Six Comunicação

Como transformar seu treino em uma animação do Le Tour de France

Recentemente estamos vendo algumas animações nos treinos do STRAVA como uma animação muito parecida com a apresentação do Le Tour de France. Muitos seguidores tem nos perguntado como fazer isso:


Basta acessar o site https://www.relive.cc e clique em CONNECT.

1 - Conect com sua conta do Strava com o Relive. Isso permitirá que o Relive obtenha todas as informações necessárias sobre sua última atividade física para criar o filme.


2 - Vá Pedalar
Saia para pedalar. Mas não se esqueça de ligar seu Strava ou o dispositivo que sincroniza com o Strava, como por exemplo o GARMIN

​3 - Assista e compartilhe

Agora tudo acontece como mágica. Em algumas horas você receberá em sua conta de e-mail vinculada ao Strava, o link para assistir ao filme referente a sua última atividade física.

Um ponto interessante é que a animação ainda destaca e marca ao longo do percurso a maior altimetria do percurso, a maior potência aplicada, a maior velocidade desenvolvida, a maior frequência cardíaca e ainda exibe o ponto exato em que as fotos associadas ao pedal no Strava foram tiradas, exibindo a respectiva foto.

Fonte: BioCicleta

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

CICLO VÍDEO: Nino Schurter afirma: “meu caminho para glória ainda não terminou”

Alimentação, treino, foco, trabalho em equipe, estratégia, concentração e preparação levaram o suíço ao alto nível competitivo

O que é preciso para ser um campeão olímpico? No capítulo 14 da web-série “N1NO – The Hunt for Glory” (Caminho para a Glória), o atual vencedor da medalha de ouro no mountain bike dos Jogos Olímpicos conta como foram os quatro anos de dedicação que o levaram da prata em Londres-2012 ao ouro na Rio-2016.

O que mudou na alimentação e nos treinos, como e por que é importante o papel da equipe de apoio, qual foi a estratégia adotada durante a prova e como manter a concentração e lidar com a pressão são algumas das histórias contadas por Nino Schurter na entrevista.

O multicampeão encerra o vídeo com uma frase que vai deixar os fãs de mountain bike ainda mais animados.

Veja:

 

Novas regras para transporte da bike na traseira do carro


O Contran, através da Resolução nº 589/16, com validade desde 28 de março, acrescentou exigências ao transporte de bicicletas na traseira do carro.

Agora, se as lanternas traseiras ficarem obstruídas, é necessário ter uma régua de sinalização na parte do rack que fica visível para trás. Antes, a Resolução nº 349/10 exigia apenas uma segunda placa, caso a original ficasse obstruída, sob pena de remoção do veículo ao pátio se o condutor se recusar ou não retirar o que está encobrindo a placa.

CONTRAN nº 589/16

- 588/16 - Altera a Resolução n. 552/15 (amarração no transporte de cargas); e
- 589/16 - Altera a Resolução n. 349/10 (transporte de carga e bicicleta nas partes externas), passando a exigir, além de segunda placa traseira, quando encoberta, também régua de sinalização se as luzes traseiras estiverem obstruídas.

Art. 1º O art. 4, da Resolução CONTRAN nº 349, de 17 de maio de 2010, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 4° Nos casos em que o transporte eventual de carga ou de bicicleta resultar no encobrimento, total ou parcial, quer seja da sinalização traseira do veículo, quer seja de sua placa traseira, será obrigatório o uso de régua de sinalização e, respectivamente, de segunda placa traseira de identificação fixada àquela régua ou à estrutura do veículo, conforme figura constante do anexo II desta Resolução.

§1° Régua de sinalização é o acessório com características físicas e de forma semelhante a um para-choque traseiro, devendo ter no mínimo um metro de largura e no máximo a largura do veículo, excluídos os retrovisores, e possuir sistema de sinalização paralelo, energizado e semelhante em conteúdo, quantidade, finalidade e funcionamento ao do veículo em que for instalado.

§2° A régua de sinalização deverá ter sua superfície coberta com faixas refletivas oblíquas, com uma inclinação de 45 graus em relação ao plano horizontal e 50,0 +/- 5,0 mm de largura, nas cores branca e vermelha refletiva, idênticas às dispostas nos para-choques traseiros dos veículos de carga;

§3° A fixação da régua de sinalização deve ser feita no veículo, de forma apropriada e segura, por meio de braçadeiras, engates, encaixes e/ou parafusos, podendo ainda ser utilizada a estrutura de transporte de carga ou seu suporte.

§4° A segunda placa de identificação será lacrada no centro da régua de sinalização ou na parte estrutural do veículo em que estiver instalada (parachoque ou carroceria), devendo ser aposta em local visível na parte direita da traseira.

§5° Fica dispensado da utilização de régua de sinalização o veículo que possuir extensor de caçamba, no qual deve ser lacrada a segunda placa traseira.

§6° Extensor de caçamba é o acessório que permite a circulação do veículo com a tampa do compartimento de carga aberta, de forma a impedir a queda da carga na via, sem comprometer a sinalização traseira.”

Fonte: Revista Bicicleta

X DESAFIO ONDE É O PEDAL?: 2º MTB BR 408

Aconteceu no último domingo, na cidade do Recife, o 2º MTB BR 408. Mais uma prova de MTB que a turma do ONDE É O PEDAL? não mediu esforços e se fez presente.

Com a organização do casal Edmerks Dario Pereira e Rosemere Oliveira, a competição foi sucesso e aconteceu de forma brilhante.

Numa manhã gostosa com a cara do nosso nordeste, o sol não podia faltar para dá aquela incrementada na disputa, fazendo com que os atletas "sofressem" mais um pouquinho, exigindo de cada um, o máximo seus limites para superar cada dificuldade encontrada pelo caminho

Foi um misto de trilhas e asfalto, juntando a estradões e subidas para não sair da rotina que é uma disputa de MTB, ainda teve aquele 'vento contra" que desanima qualquer competidor.

Qualquer dificuldade a mais não foi suficiente para diminuir a paixão pelo esporte que nossos guerreiros tem, e o que poderia ter agido contra, foi o combustível que moveu cada um deles rumo a superação de seus limites e dificuldades, pois o dia foi de esforço, coragem e muita raça demostrada pelos competidores.


Momentos de descontração antes da corrida.

 

 

 

  

Preparação para a largada e algumas imagens da competição



 

 

 

 

 

 

 

 

Imagens do pódio e a alegria de mais uma prova realizada


 


 

 


 

 



Parabéns a nossa amiga Sueide que apesar das dificuldades enfrentadas ao longo do percurso, caindo durante a prova, conseguiu reagir e chegar em segundo lugar.

Ficam aqui as palavras de Jânio Xavier sobre mais esta participação da turma onde é o pedal? 

Sobre hoje em Recife, o 2° MTB BR408 , dou os parabéns a todos os atletas que participaram e em especial para os de Santa Cruz do Capibaribe, pois ali vi o esforço de cada um. Dava para ver cada um dando o melhor de si mesmo estão de parabéns pela organização. Mais uma competição... e mais uma organização impecável do casal Edmerks Dario Pereira e Rosemere Oliveira. Nada como a paixão pelo ciclismo que nos possibilita usufruir de um evento administrado brilhantemente pelo casal e sua equipe devidamente sincronizada..."

Valeu a pena todo esforço, e que venha a próxima. Aproveitando Queremos agradece primeiramente a DEUS, e depois a cada uma dos nossos patrocinadores que tem nos ajudando e incentivado a continuarmos com esse projeto tão impotente, pois além do caráter esportivo, tem acima de tudo a mensagem de uma melhor qualidade de vida, além da preservação da mãe natureza.
 
Quero agradece a DEUS e aos nossos patrocinadores que vem nós ajudando e ensentivado a continuar com esse projeto . 

#JL construção 
#BLOG ciclomania
#BLOG nilson perreira
#joggofi 
#palpitecerto 
#SnakyGym academia 
#Amilbike 
#Aviamentobrasil 
#CIABIKE 
#ondeeopedal?

Fotos: ForBikePE e Giro dos Amigos