Subscribe:

Parceiros

.


segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Unno Aora, um dos quadros de carbono de produção mais leves do mercado

Pesando apenas 686g sem tinta, quadro possui construção em carbono e geometria moderna

O título de quadro de bicicleta mais leve do mercado é disputado por centenas de fabricantes, por isso afirmar que um modelo é o mais leve é sempre uma armadilha. Dito isso, do alto de seus 790g, o Aore, feita pela espanhola Unno, é um dos maiores concorrentes ao título.


Para chegar a esta marca, o modelo aposta em detalhes como pouca pintura mas retém características fundamentais como uma gancheira de alumínio, eixo passante e passagens para cabos. Trata-se de um quadro para o mundo real que, sem a pintura, atinge a marca dos 686g.


O modelo é feito a mão em Barcelona em um processo que cria o quadro como uma peça única, sem emendas ou partes que juntam-se depois. Com a produção extremamente complexa e limitada, o Aore está disponível em apenas um tamanho - algo entre o M e o G, mas com números bastante modernos.



Com 441mm de alcance, trata-se de uma bike com a frente longa, com a caixa de direção ficando com um relaxado ângulo de 67 graus. A traseira têm apenas 418mm de chain-stay real, com o tubo do selim angulado em 74 graus para melhorar a posição nas subidas. Apesar de ser uma bike para XC, a traseira aceita pneus de até 2.4'' de largura.



Como era de se esperar, a caixa de direção é cônica com o espaçamento no padrão boost (148mm). O central é PF92 e o cabeamento totalmente interno, com montagem para câmbio dianteiro não prevista no projeto. Apesar disso, existe a passagem de cabo para canotes retráteis com 31.6mm de diâmetro.

Mais informações no site da Unno.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Inmetro publica regulamento sobre qualidade para pneus de bicicletas

Foto: Divulgação
O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) publicou nesta quinta-feira (13), no Diário Oficial da União (DOU) o Regulamento Técnico da Qualidade para Pneus de Bicicletas de Uso Adulto, determinando os requisitos, de cumprimento obrigatório, referentes à segurança do produto.

O regulamento define que "todo pneu de bicicleta de uso adulto, abrangido pelo regulamento ora aprovado, deverá ser fabricado, importado, distribuído e comercializado de forma a não oferecer riscos que comprometam a segurança do usuário, independentemente do atendimento integral aos requisitos estabelecidos".

Os fornecedores de pneus de bicicletas de uso adulto deverão atender a todos as regras do regulamento, que está disponível no site do Inmetro, no endereço.

Fonte: Hoje em Dia

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Ciclismo como uma forma de combate à obesidade

A obesidade vem crescendo de forma rápida em todo o mundo, sendo considerado por alguns como a nova epidemia mundial. Uma alimentação baseada em alimentos industrializados e um estilo de vida sedentário são as maiores causas desse problema.

Foto: Divulgação
 A obesidade vem crescendo de forma rápida em todo o mundo, sendo considerado por alguns como a nova epidemia mundial. Uma alimentação baseada em alimentos industrializados e um estilo de vida sedentário são as maiores causas desse problema.

Para fugir da obesidade é importante combinar uma alimentação saudável com a prática de atividades físicas, com destaque para o ciclismo por sua facilidade e acessibilidade.

O aumento do poder aquisitivo deixa muitos brasileiros mais perto da obesidade. Isso ocorre devido ao maior acesso a alimentos muito calóricos e pouco nutritivos, além do aumento da compra dos veículos automotores que diminui as já tão curtas caminhadas diárias para cumprir compromissos rotineiros. Não é raro ver pessoas jovens que já sentem o peso desse estilo de vida e tentam buscar mais momentos de lazer e bem-estar e acabam se apaixonando pelo ciclismo.


Ciclismo no combate à obesidade
A obesidade surge quando o consumo de calorias é maior do que a sua queima, ou seja, alimentação rica em calorias misturada com sedentarismo. Hipertensão, problemas cardiovasculares e diabetes são apenas alguns dos riscos do sobrepeso. Além do número na balança é importante observar como o peso está distribuído pelo corpo, visto que o acúmulo de gordura do abdômen é um grande sinal de risco de doenças associadas à obesidade.

Seja para tratar ou para prevenir a obesidade, é preciso se alimentar de forma saudável e incluir a prática de atividade física na rotina. O ciclismo é um grande aliado nesse momento. Pedalar é uma atividade indicada para pessoas de todas as idades e é indicado no combate à obesidade, pois atua no metabolismo aeróbico, quando a gordura é utilizada como fonte de energia após um certo tempo de exercício.

Além disso, pedalar é uma ótima forma de ter mais contato com a natureza, pegar sol e fazer novas amizades. A prática apresenta baixo impacto nas articulações, protegendo joelhos e coluna. Basta observar a postura, escolher uma bike adequada para sua altura e peso e um tênis de qualidade que a atividade física será segura e benéfica. Para maior segurança, procure ajuda de profissionais qualificados e mantenha os seus exames de saúde sempre em dia.

Procure incluir o ciclismo na sua rotina pelo menos três vezes por semana. Para criar o hábito de pedalar, defina metas que você com certeza pode alcançar e, com o tempo, aumente seus desafios de acordo com a evolução do seu organismo. Defina dias e horários que não vão colidir com outros compromissos, dessa forma, você evita deixar o ciclismo para depois. É melhor começar com meia hora por dia e manter a frequência do que se propor a pedalar durante duas horas, mas só conseguir fazer isso uma vez por mês.

O que esperar do ciclismo
Redução dos triglicerídeos, ou seja, menores chances de desenvolver problemas cardiovasculares melhora no equilíbrio e no condicionamento físico redução do peso corporal mais qualidade de sono redução da pressão arterial mais qualidade de vida e aumento da autoestima


Fonte: Dino

Casal sai de bicicleta de Valinhos e, 3 mil km depois, nem pensa em voltar: Melhor coisa que eu fiz

Renato Casacio e Natália Mourão partiram em agosto de 2017, percorreram quatro estados brasileiros e não têm previsão de volta.

Casal do interior paulista deixa rotina para viver aventura de bicicleta pelo Brasil.
Foto: © Renato Casacio/Arquivo pessoal
Quantas vezes você imaginou largar tudo e viajar? O casal Renato Casacio, de 33 anos, e Natália Mourão, 27, decidiu realizar este sonho e vive a aventura há um ano. Munidos de bicicletas, a dupla partiu de Valinhos (SP) em agosto de 2017 e, 3 mil quilômetros depois, se aproxima da Chapada dos Veadeiros (GO).


Sem planos de onde chegar ou quando voltar, o casal acumula aventuras e histórias pelos quatro estados que já visitou: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás.

45 km por dia
O casal conta que pedala em média 45 km por dia, mas a dupla chegou a ficar até três dias direto na estrada. Entre os desafios, diz que arranjar lugar para passar a noite e acampar foi o mais desgastante.

Apesar das dificuldades, os dois afirmam que a experiência vale a pena, principalmente pelos "lugares incríveis e pessoas maravilhosas" que cruzaram pelo caminho.

E foi em um desses encontros que o casal ganhou um terceiro elemento na viagem: o gato Caju.

O gato Caju já viajou por mais de 1 mil km com o casal.
Foto: Renato Casacio/Arquivo pessoal
Na saída de Rondonópolis (MT), no começo deste ano, o casal recolheu o filhotinho assustado e o incorporou na aventura. O bichano já rodou mais de 1 mil km com eles.

"Escutamos um miado vindo do canavial. Era um filhotinho assustado correndo em nossa direção. Colocamos ele dentro da capa do violão e resolvemos levá-lo. Agora, ele tem um lugar apropriado para viajar e é como se fosse da família", conta Natália.

E o dinheiro?
Uma viagem desse porte exige logística e, claro, dinheiro. E a saída para a questão financeira foi engenhosa. Músico, Renato leva uma carreta com instrumentos musicais e, nas paradas, garante o financiamento da aventura tocando em bares e restaurantes.

Além disso, para diminuir gastos, os viajantes carregam uma estrutura para preparar a comida. Barraca é a solução para as noites de sono, mas nas cidades em que ficam mais tempo, o casal aluga um lugar para ficar.

Estradas ruins
O primeiro destino do casal foi a Chapada dos Guimarães (MT). Por lá, a dupla permaneceu três meses. A escolha pelo Mato Grosso veio pelo interesse em conhecer o estado. A experiência foi marcada por estradas ruins, sem acostamento e com muitos caminhões.

"Nesse sentido, foi desgastante e estressante", lembra o músico.

Outro ponto que chamou a atenção foi a destruição do Cerrado, não só no Mato Grosso, mas no oeste de Goiás.

"É muito triste ver as fazendas dominando tudo, muitos bichos mortos, riachos assoreados. A situação esta muito séria mesmo. Como a conscientização ambiental passa longe dessas regiões, faz tempo que não vemos cidades que tenham coleta seletiva de lixo", diz Renato.

Dificuldades e beleza
Em três dias diretos na estrada, entre as cidades de Cassilândia (MS) e Chapadão do Sul (MS), Renato e Natália pedalaram num trecho precário, sem acostamento e com tráfego intenso.

Eles contam que, no segundo dia, foram surpreendidos por um pneu furado, chuva intensa e, ainda, nos últimos 10 km do trajeto, se depararam com um baita subida.

Cachoeira dos Araras encantou os ciclistas duranyte a viagem.
Foto: Renato Casacio/Arquivo pessoal
"Saímos de 400 m para 700 m de altitude".
Após a dificuldade, assim que chegaram no Chapadão, eles conheceram um rapaz chamado Altair. Além de pagar uma refeição aos viajantes, o novo amigo comprou dois pneus novos para Natália e fez manutenção completa nas duas bicicletas.

A dupla define os períodos de chuva como os mais complicados. Durante a travessia de Costa Rica (MS) a Alcinópolis (MS), percorram 90 km de distância em estrada deserta, com trechos de terra e muita chuva.

O músico ainda recorda a recepção acolhedora de uma família que administra a fazenda onde fica a cachoeira. Lá, recebeu um quarto para dormir. "Foi um ponto de apoio maravilhoso".

O casal
Professor de música, Renato trabalhou em uma escola de Valinhos entre os anos de 2008 e 2017, e, nos períodos de férias, costumava conhecer o Brasil com sua bike. Visitou Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e o litoral paulista.

Engenheira ambiental de formação, Natália conheceu Renato quando o músico se apresentou em Bauru (SP), onde morava com a mãe. Estão juntos desde então.

O músico já tinha a viagem planejada quando conheceu a esposa. Natália nunca tinha pedalado antes, mas "abraçou a ideia com coragem", conta Renato. Eles contam que fizeram um treinamento de poucos dias e pegaram a estrada.

Fonte: G1

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Programa Bicicleta Brasil pode beneficiar economia, saúde e meio ambiente

Foto: © Rudy/Agência Senado
O presidente da República tem até o dia 5 de outubro para sancionar ou vetar o Programa Bicicleta Brasil (PBB), aprovado recentemente pelo Senado. O objetivo do programa (PLC 83/2017) é aumentar os investimentos no setor.

A proposta visa aumentar a construção de ciclovias, ciclofaixas e faixas compartilhadas; a implantação de aluguéis de bicicletas a baixo custo em terminais de transporte coletivo, centros comerciais e locais de grande fluxo; a construção de bicicletários nos terminais de transporte; a instalação de paraciclos ao longo das vias e estacionamentos apropriados; e a realização de campanhas de incentivo ao uso da bicicleta.

O PBB tem como base a reserva de 15% dos recursos arrecadados com as multas de trânsito em todo o país. Como o valor gira em torno de R$ 9 bilhões por ano, significa que o programa, se efetivado, terá um orçamento de ao menos R$ 1,3 bilhão anuais. O programa também deverá receber recursos da CIDE-Combustíveis (percentual a ser definido em regulamento), de repasses dos governos federal, estadual e municipal, de doações de organismos de cooperação internacionais ou nacionais, de empresas e até de pessoas físicas.

Durante sua tramitação no Congresso, o PBB teve o apoio oficial da União dos Ciclistas do Brasil (UCB) e da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Para estas entidades, o reforço ao uso das bicicletas poderá trazer importantes benefícios econômicos e sociais ao país.

Benefícios
Recentemente o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) publicou uma pesquisa relacionada ao uso da bicicleta em São Paulo, concluindo que a adesão da população paulistana ao uso da bicicleta resultaria numa economia de R$ 34 milhões por ano ao Sistema Único de Saúde (SUS). A economia viria da queda do número de internações por diabetes ou doenças circulatórias, com base em dados oficiais do setor hospitalar.

Os ciclistas já são responsáveis por uma redução de 3% na emissão de CO2 pelos meios de transporte paulistanos. O Cebrap ainda avalia que estas emissões podem cair até 18%, se for atingido todo o potencial ciclístico da cidade.

O Cebrap também demonstra que um paulistano que usa majoritariamente o transporte coletivo em seus deslocamentos pode economizar até R$ 140 por mês caso passe a priorizar a magrela. E para quem usa mais o carro particular, a economia pode chegar a até R$ 450 mensais.

Por fim, os cidadãos das classes C e D poderão economizar até 14% da renda mensal (R$ 214) caso incorporem a bike a seus dias úteis. E se todo o potencial ciclístico de São Paulo for aproveitado, haverá um acréscimo de R$ 870 milhões no PIB municipal em razão da economia de tempo nos deslocamentos.

Em julho a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) também lançou um estudo oficial sobre o tema, chamado A Economia da Bicicleta no Brasil .

O levantamento destaca, com base em números de 2016, que o Brasil contava à época com quase 6 mil lojas dedicadas ao comércio de bicicletas, peças e acessórios, empregando diretamente quase 14 mil trabalhadores. Mais de 76% das bicicletarias tinham até cinco funcionários e 22,4% delas empregavam apenas um. Uma das características principais do ramo, segundo a UFRJ, é justamente a tendência de se configurarem como lojas de pequeno porte. Cerca de 83% destes estabelecimentos optam pelo regime de tributação SIMPLES.

A pesquisa mostra ainda que o faturamento médio deste tipo de loja gira em torno de R$ 800 mil anuais e que 22% vendem entre R$ 50 e R$ 200 mil por ano. Outros 20% movimentam entre R$ 200 e R$ 500 mil anuais e apenas 1% dos estabelecimentos faturam mais que R$ 10 milhões.

Cerca de 36% destas lojas estão abertas há mais de 10 anos, enquanto outros 13% estão no mercado há mais de 30 anos. Chama a atenção, porém, que 18% estejam funcionando há menos de 2 anos.

Cicloativismo
A pesquisa detectou ainda 55 entidades dedicadas ao cicloativismo no país, que receberam R$ 5,1 milhões de financiamento público e privado, da venda de produtos e da promoção de eventos em 2016.

O levantamento também mostra que, entre 2007 e 2017, foram realizados 124 projetos de pesquisa centrados na bicicleta no país, ao custo de R$ 3,7 milhões.

Já com base em dados da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), a UFRJ mostra que foram realizados 203 eventos esportivos ligados à bicicleta no país em 2016.

Estas competições contaram com a participação de mais de 149 mil atletas e acompanhantes, que gastaram mais de R$ 46 milhões em hospedagem em cidades de todo o país, a maioria no interior. Já em 2017, somente cada etapa da Copa Internacional de Mountain Bike, realizada durante finais de semana, empregou 1.200 pessoas.

Fonte: Senado Noticias

“Não esqueça a minha Caloi” retorna na comemoração de 120 anos da empresa

Após quatro décadas, campanha ressurge com novo foco pelas mãos da agência Tribal WorldWide com a anuência do publicitário JCocco, criador da assinatura

Foto: Divulgação
Para conscientizar os motoristas e a sociedade sobre a inclusão da bicicleta como veículo de transporte, a Caloi escolheu o dia 22 de setembro, Dia Mundial sem Carro, para lançar sua campanha de 120 anos. E nada melhor chamar a atenção de todos com uma frase que o brasileiro já conhece há 40 anos: “Não esqueça a minha Caloi”.

Pelas mãos da agência Tribal WorldWide, que trabalhou em parceria com o publicitário JCocco – criador da assinatura na década de 70, a campanha ressurge, mas não com o intuito de vender mais bicicletas, como sugeriam os bilhetinhos da época, mas sim com o foco da inclusão da bike nas ruas.

“É com muito orgulho que vejo renascer a campanha ‘Não esqueça a minha Caloi’ agora com uma causa ainda maior, que é trazer a bicicleta para o centro da discussão como um dos pontos de solução do trânsito caótico das grandes cidades”, diz J. Cocco.

Um vídeo com toda a ideologia do novo foco “Não esqueça a minha Caloi” será veiculado nas redes sociais da marca, assim como em canais de mídia digitais. A cidade de São Paulo terá peças publicitárias, como seus relógios de rua, envelopados com frases como “Não esqueça a minha Caloi ao mudar de faixa” e “Não esqueça a minha Caloi antes de fazer uma curva”. Confira:


“Depois de 40 anos, é uma honra poder relançar e ressignificar o #NaoEsquecaMinhaCaloi com uma mensagem tão atual e importante para todos que pedalam. Muita coisa mudou desde a criação deste conceito, a bicicleta está cada vez mais incluída em nosso dia a dia, nao só como lazer mas também na mobilidade urbana e esporte?, virou serviço, tem se tornado cada vez mais a maneira mais viável de nos movermos.  Neste cenário que se expande cada vez mais, não esquecer que sobre o selim de cada bicicleta existe um ser humano é urgente. Não esqueca minha Caloi agora é um pedido por mais segurança no trânsito. Por isso, também abrimos o conceito para que todas as marcas participem deste movimento.” conta Carlos Fonseca, copresidente e CCO da Tribal Worldwide.

E como a inclusão da bicicleta como transporte é um tema de interesse geral da sociedade, uma carta aberta será publicada pela Caloi no próprio dia 22, no jornal Folha de São Paulo, convidando todas as marcas a levantarem a bandeira. A assinatura “Não esqueça a minha Caloi” será estendida para quaisquer outras marcas que queiram participar do movimento.

“Somos uma empresa em que a paixão não está na bicicleta, mas no ciclista. Estamos presentes há 120 anos na vida dos brasileiros. São gerações e gerações que a Caloi marcou, pois andar de bicicleta é algo que a gente nunca esquece e, sempre que pedalamos, seja para um deslocamento para o trabalho, uma atividade física ou apenas por lazer, o ventinho no rosto nos traz memórias únicas”, afirma Eduardo Rocha, diretor de marketing da Caloi. “Nesse ano icônico, resgatamos a campanha ‘Não esqueça a minha Caloi’ com um novo olhar: a visão do século XXI, quando a bicicleta em muitos países já é vista como uma das soluções do transporte, seja nos grandes, médios ou pequenos centros. E no Brasil ainda pouco se fala ou mesmo vemos na prática esse movimento, principalmente pela falta de segurança no trânsito e a ausência de boa convivência com os demais veículos. Essa não é apenas uma campanha da Caloi, mas sim do mercado de bicicletas como um todo para o ciclista brasileiro”, completa.

Fonte: Esporte&Negócio 
Por: Christian McCardell

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Garmin® anuncia integração com o Spotify

Disponível para a série fēnix® 5 Plus, integração permite ouvir listas de reprodução off-line a partir do pulso

Fenix 5, agora com Spotify
A Garmin Brasil anunciou a integração com o Spotify, o maior serviço de streaming do mundo, para a sua linha compatível de smartwatches com música.  Desde 05/12, os consumidores Garmin e usuários do Spotify Premium que tenham um smartwatch da série fēnix 5 Plus poderam armazenar áudio, permitindo baixar e ouvir músicas offline sem precisar levar um telefone.

“O Spotify é um serviço de streaming de música mais popular do mundo e estamos entusiasmados por colaborar com eles para oferecer aos nossos clientes ainda mais formas de ouvir suas músicas enquanto estão em movimento,” afirma a gerente de marketing da Garmin Brasil, Ilham Harati Dias. “Seja você um fã de rock, pop, clássico ou sertanejo, com acesso a milhões de faixas no Spotify, sabemos que os usuários da Garmin poderão encontrar algo que combine com o seu estado de humor”, completa.

Os assinantes do Spotify Premium podem criar listas de reprodução, incluindo todas as suas faixas favoritas e depois sincronizar as listas de reprodução no seu smartwatch de música Garmin compatível.  Os usuários podem acessar as suas playlists através do aplicativo Spotify.  Novos usuários podem experimentar uma O Premium de graça em spoti.fi./offer sem custo. (Elegibilidade limitada. Termos e condições aplicáveis).

O aplicativo Spofity já está disponível para download da loja Connect IQ™ para clientes Garmin com a série fēnix 5 Plus, uma linha de smartwatches construída para atletas e aventureiros de todos os tipos.

Fonte:  Agência Contatto 
Por: Talita A. Scotto

Corinthians fecha nova parceria com AUDAX BIKE e terá equipe de Ciclismo em 2019

O lançamento oficial do Corinthians Audax Bike Team será dia 21 de janeiro, durante a largada oficial do Rally Piocerá em Teresina (PI)

Foto: Divulgação
O Sport Club Corinthians Paulista fechou uma parceria inédita com a Audax Bike Team de Ciclismo para temporada 2019. A nova marca estampará as bicicletas com o logo do Alvinegro.

Como marca que incentiva o ciclismo, a Audax está sempre em busca de envolver os amantes do ciclismo e fomentar o desporte. O “Factory Team” da marca encerrou o ano de 2018 com as melhores colocações no Ranking Nacional e União Ciclista Internacional (UCI).

A cooperação entre as marcas é histórica para o esporte nacional e internacional. “Vivemos um momento de investimento em novas modalidades e o ciclismo era uma das que buscávamos participar. E nessa busca, procuramos quem tinha a melhor estrutura e apareceu a Audax em nosso radar”, declara Donato Votta, Diretor de Esportes Terrestres do Corinthians.

“A Audax busca a evolução do ciclismo brasileiro e é pioneira, não apenas no desenvolvimento das melhores tecnologias, mas também no cenário esportivo nacional. Esta união apenas comprova que o melhor do futebol e o melhor do mundo do pedal irão, juntos, construir um legado para o Brasil”, afirma Claudino Júnior, CEO da Audax.

Para 2019 espera-se que mais de 30 milhões de torcedores fiquem de olho no ciclismo e que se torne o manto sagrado dos entusiastas dos esportes. O lançamento oficial do Corinthians Audax Bike Team será dia 21 de janeiro, durante a largada oficial do Rally Piocerá em Teresina (PI).

Fonte: Corinthians

domingo, 9 de dezembro de 2018

Bicicleta - Brincadeira que faz bem!

Além de divertir, esta atividade física ajuda seu filho a melhorar a coordenação motora, a noção espacial e o equilíbrio.

Pedalar é uma atividade divertida que pode ser feita por toda a família.
Foto: © SylwiaAptacy
Pedalar é uma atividade divertida que pode ser feita por toda a família. De fácil acesso - quem não tem uma bicicleta pode alugar nos parques de várias cidades - exige apenas disposição e fôlego (que melhora com a prática constante da atividade).

Andar de bicicleta também é uma maneira de incutir nos pequenos o gosto pelos exercícios físicos sem obrigatoriedade. Ao contrário das muitas atividades que eles têm durante a semana - algumas obrigatórias e pouco prazerosas -, pedalar é brincadeira das boas, para todas as idades.

Outro fator importante é o desafio individual que o aprendizado impõe. Além disso, colabora para o desenvolvimento , melhorando a coordenação motora, o equilíbrio.

"Por ser um exercício aeróbio , reforça a capacidade cárdio-respiratória e o condicionamento físico, trabalhando especialmente a musculatura das pernas, e ajuda a controlar o peso, um problema cada vez mais atual", explica a professora de educação física Sonia Regina de Carvalho Perrone*.

A partir dos dois anos de idade, o objeto bicicleta já começa a atrair a curiosidade do baixinho, mas só por volta dos seis anos, quando a coordenação está mais desenvolvida, ele consegue se divertir com mais segurança e estabilidade . Nesta fase também ganha noção espacial, o que lhe dá condições melhores para percorrer determinada distância, fazer curvas e fugir das "armadilhas" que o fizeram cair.

Se cair, tudo bem, faz parte do jogo. "O importante é estimular e colocar a criança em contato com outras da mesma idade que também estejam aprendendo", diz a professora.

E atenção: para que seu filho brinque em segurança é necessário escolher um local adequado para pedalar - ciclovias, parques, calçadões. Jamais a rua! Também é necessário adotar equipamentos de segurança , com destaque para o capacete, que deve ser bem ajustado à cabeça e preso sob o queixo.

Para estimular o uso do capacete, cotoveleiras, joelheiras e luvas, uma dica é deixar o pequeno decorar os acessórios com adesivos e sempre lembrá-lo de como um tombo do passado poderia ter sido menos dolorido se ele estivesse equipado.

Na hora da compra, o ideal é levá-la junto para escolher o modelo mais adequado ao seu tamanho. Tomando estas medidas simples, você e seus filhos terão diversão garantida!

Fonte: Revista Bicicleta
Por Sonia Regina de Carvalho Perrone

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Cape Epic - última etapa 2018


As corridas da série Epic de 2018 levaram os pilotos do sul da África ao deslumbrante Alpes Suíços até os belos picos cobertos de neve da Ilha do Sul da Nova Zelândia.

Na sexta-feira, pilotos cansados ​​e entusiasmados cruzaram a linha em Queensland, Otago, para ganhar medalhas no The Pioneer, da Nova Zelândia, o terceiro e último evento Legend da série em 2018. Os pilotos da Pioneer cobriram 424 km em seis dias de corrida. e subiu um formidável 15,124m durante esse tempo.

Entre eles estavam as três primeiras pessoas que completaram todas as três provas da Série Épica em um ano - o sul-africano Tim Hammond, a neozelandesa Haley van Leeuwen e Chak Shing Cheng, de Hong Kong.

O Absa Cape Epic, de oito dias, no Cabo Ocidental, em março, é o evento máximo da Série Épica. O Swiss Epic de cinco estágios será o próximo em agosto e depois o The Pioneer em seis dias em novembro, com as duas corridas de qualificação para a Epic Series dando aos ciclistas a chance de garantir uma entrada para o evento sul-africano.

"Este é o nosso primeiro ano em que recebemos todas as três corridas da Epic Series e estamos mais do que encantados com a forma como foram recebidos", disse o CEO da Epic Series, Kevin Vermaak. "Parabéns a todos que conseguiram se juntar ao clube Epic Legend e obter uma medalha Legends - essa é uma conquista incrível", disse ele.

Um piloto que termina todos os três eventos ganha o título de Epic Legend e recebe uma medalha especial da Epic Legend - que já é uma das mais requisitadas nas corridas de mountain bike.


Hammond terminou em segundo no The Pioneer com o seu parceiro sul-africano Alan Gordon (Team SPOT África / Insect Science) depois de ter conseguido um 19º lugar no Absa Cape Epic, pilotando com Arno du Toit. Hammond e Gordon terminaram em 20º no épico suíço.

"Isso é um monte de quilômetros de corrida nas pernas este ano", disse Hammond, de 30 anos, na cerimônia de premiação final do The Pioneer em Queenstown. “O Pioneer nos enviou para algumas das trilhas mais remotas, expostas e cênicas em que já me encontrei, e fazer todos os três eventos consecutivos só pode ser descrito como o sonho de um verdadeiro mountain biker.”

A Epic Series é um portfólio global de corridas de mountain bike de primeira classe. As Corridas de Qualificação da Epic Series oferecem aos pilotos a chance de garantir sua vaga no Absa Cape Epic, a mais prestigiada corrida de mountain bike do mundo. Os vencedores da categoria nas corridas da Epic Series estão entre aqueles que têm uma entrada garantida no Absa Cape Epic, um evento que tradicionalmente se esgota em segundos.

Os vencedores da Pioneer Michael Vink e o parceiro Tim Rush (ONYA Bike), ambos neozelandeses, se qualificaram para a corrida Untamed African MTB. O evento feminino foi vencido por outra dupla Kiwi, com Kate McIlroy e Amy Hollamby (Aeroporto de Wellington) vencendo por 20 minutos do Aussies Briony Mattocks e Brodie Chapman (Shimano).
O evento começou com um prólogo no Coronet Peak coberto de neve nos Alpes do Sul antes de passar para o Central Otago por quatro etapas e depois para Queenstown e a chegada na sexta-feira.

Vink e Rush geralmente dominavam o evento aberto masculino, liderando o prólogo. Seu tempo de término de 20 horas e 28 minutos e 25 segundos foi mais de uma hora mais rápido que os concorrentes mais próximos.


"O que uma semana, tem sido difícil e construção de caráter, mas nós aprendemos muito e melhoramos ao longo da semana ... e é isso que queríamos", disse Vink.

O Pioneer ocorre na região sudeste da ilha sul da Nova Zelândia. O terreno inclui montanhas cobertas de neve, lagos glaciares e uma península conhecida pelas suas praias arenosas. Queenstown, onde a corrida terminou, é uma meca para os entusiastas de esportes de aventura.

No final, o ex-campeão de Hong Kong Cheng refletiu sobre a conquista de uma medalha da Epic Series Legend: “Como piloto, ganhei muitos insights sobre corridas de vários dias, especialmente diferentes estilos de corrida em vários continentes. O Absa Cape Epic é definitivamente o mais difícil, pois é o mais longo em dias e distância. Entre o Épico do Cabo Absa e o Épico Suíço, o terreno é tão diferente - a natureza selvagem da África do Sul comparada às descidas íngremes e trilhas rochosas entre os Alpes e geleiras. O Pioneer para mim é uma espécie de mistura dos outros dois! ”

Fonte: Cape Epic
Fotos: Divulgação

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

BIKESOUND: Pedale conectado com suas músicas

Conheça o Bikesound, o dispositivo Bluetooth que permite você ficar mais conectado com total segurança


Nada é mais agradável do que andar de bicicleta escutando suas músicas preferidas, não é mesmo? E você sabia que agora pode fazer isso com total segurança, isto é, sem perder a percepção do som ambiente que fica prejudicado quando estamos com fones de ouvido. Agora, graças ao novo Bikesound, é possível ouvir músicas, atender chamadas telefônicas, usar sistemas de localização do GPS... tudo isso sem precisar tirar as mãos do guidão!

“O Bikesound é inovador. O dispositivo pode tocar música e reproduzir diversas outras funções do smarthphone conectados via tecnologia Bluetooth do equipamento. A Bomber é uma empresa apaixonada por música e unimos essa paixão com o prazer de pedalar” - explica Felipe Augusto Ten Caten, Gerente comercial e marketing da Bomber Speakers, empresa brasileira com mais de 25 anos de história com sede no Rio Grande do Sul.

Com apenas 28 gramas e visual discreto, o Bikesound é poderoso e foi desenvolvido para ser instalado no capacete do ciclista (adaptável a qualquer modelo), com recursos concebidos nas necessidades do ciclista, desde o entusiasta, ao uso urbano e até para o atleta profissional, que encara longas horas de pedal e precisa manter-se conectado.

“O dispositivo é extremamente leve, resistente ao suor e a chuva, tem uma bateria de lítio de longa duração sendo recarregável via USB e foi totalmente pensado na pessoa que aprecia pedalar conectado, sem abrir mão da segurança” - afirma Felipe.


Concepção do Bikesound
A história do Bikesound está ligada diretamente a trajetória da Bomber Speakers, empresa fundado em 1993 em Cachoeirinha (RS) por Gustavo Lemen, um apaixonado por música que desenvolveu tecnologia para criar os melhores sons automotivos do país e do mundo.

“A ideia do Bikesound surgiu do próprio executivo Gustavo Lemen, que também é ciclista. Sua paixão pela música levou à criação do Bikesound, basicamente um alto-falante moderno, discreto e inteligente” - conta os executivos da companhia. O Bikesound levou cerca de dois anos de desenvolvimento até finalmente chegar ao mercado brasileiro no final de 2018.

Som da velocidade
Escutar música nunca sai de moda. Agora, o que realmente está em alta são os podcasts, audiobooks (livros por áudio) e rádios de internet. E quem ama fazer esportes, nada melhor do que dar aquele "gás" no treino curtindo a playlist ou programas preferidos.

De acordo com o Dr. Costas Karageorghis, da Brunel University do Reino Unido, um dos maiores especialistas em psicologia do esporte, a música é efetivamente uma droga legal para melhorar o desempenho. Ouvir seus artistas favoritos pode aumentar sua resistência em até 15% e, ao mesmo tempo, diminuir sua percepção de esforço. Pode fazer com que a sua mente se sinta menos cansada durante o treino e também ajudar a estimular pensamentos positivos.

O poder da música é inigualável, agora adicione um equipamento com capacidade de reproduzir a leitura de livros, informações de rádios, orientar as rotas do GPS e atender chamadas automaticamente sem precisar se preocupar com os comandos, enquanto você pedala. O Bikesound faz tudo isso para você!


Polêmica dos fones de ouvido
Você sabia que, enquanto pedalamos, o fone de ouvido pode ser um risco?

Uma pesquisa sobre o assunto feita pela rede BBC de Londres, realizada em 2014, apontou que quase 90% dos entrevistados são a favor de uma proibição do uso do fone de ouvido por ciclistas, muitos citando que afeta a percepção e que os ciclistas não estão cientes e não respondem a perigos, portanto, mais propensos a se envolver em incidentes. Estudos realizados pela Universidade de Brunel do Reino Unido também sugeriram que os usuários eram até 10% menos responsivos a riscos potenciais.

Ciclistas mais prudentes não utilizam fones de ouvido pelas ruas, trânsito, estradas e pelotões, pois dependendo do volume do som, o indivíduo pode ficar "surdo" diante dos perigos, aumentando o risco de acidentes.


O que diz o Código de Trânsito Brasileiro (CTB)
De acordo com o Art. 252. do Código de Trânsito Brasileiro (CTB): "dirigir o veículo" utilizando-se de fones nos ouvidos conectados a aparelhagem sonora ou de telefone celular é uma infração média; com penalidade – multa de R$ 85,13 e perda de quatro pontos na carteira de habilitação" - descreve o item VI.

Com relação a utilização do fone de ouvido pedalando, a legislação não diz nada específico, mas como já relatado, sabemos que pode distrair o ciclista e, consequentemente, ocasionar um acidente. O fato é que o assunto do uso do fone de ouvido é polêmico e sempre vai render muita discussão entre os ciclistas.

Com efeito, sobretudo sob aspecto da segurança, o Bikesound sobressai como a solução perfeita para unir a utilização dos recursos multimídias e o prazer de andar de bicicleta. Contudo, sabemos que andar de bicicleta envolve todos os sentidos do ser humano e porquê não apoderar-se da tecnologia disponível em prol da nossa segurança e bem-estar?


Raio-X do Bikesound

Características principais:
  • Um equipamento discreto que vai dar ritmo para você pedalar acompanhado de sua música.
  • Sua playlist sempre com você: conecta-se via bluetooth com seu celular.
  • Você não tira as mãos do guidão para nada: ele atende as chamadas do celular automaticamente.
  • Mantém sua atenção do trajeto: diferente dos fones de ouvido, além da música, você ouve o que está ao seu redor.
  • Resistente ao suor e a chuva
  • Bateria de lítio de longa duração e recarregável por USB (cabo incluído)
  • Adaptável em qualquer capacete
  • Design discreto. Fixação com velcro
Especificações:
  • Modelo: Bikesound
  • Peso: 28g
  • Bluetooth V 4.2+EDR
  • Potência dos alto-falantes: 2W x 1
  • Resposta de frequência: 90 Hz - 200KHz
  • Sensibilidade: 80 db +- 2 db
Onde comprar

www.bombershop.com.br ou nas melhores lojas esportivas e bikeshops

Valor sugerido: R$ 159,00

Fonte: Bike na Mídia

Cannondale Brasil Racing tem nova formação para 2019

No segundo ano da equipe, objetivo permanece sendo contribuir com o crescimento do ciclismo brasileiro

Foto: Divulgação
Estão definidos os integrantes da Cannondale Brasil Racing para 2019: pertencentes à formação original do início do ano, Viviane Favery e Sherman Trezza ganham agora a companhia de Guilherme Muller na equipe. O trio estará em ação nas principais provas do calendário brasileiro e internacional, de olho na contribuição para o crescimento do ciclismo brasileiro e, também, com o objetivo de ajudar o Brasil a conquistar novas vagas nas Olimpíadas do Japão, em 2020.

“O ano de 2018 foi histórico para a Cannondale. Começamos a temporada apresentando a Cannondale Brasil Racing e, depois, tivemos o ótimo desempenho do Henrique Avancini na Cape Epic, nas etapas da Copa do Mundo e na conquista do título mundial de MTB maratona. Em outubro, para fechar o ano da melhor maneira possível, ainda tivemos várias vitórias na Brasil Ride”,  enumera Eduardo Rocha, diretor de marketing da Cannondale. “Para 2019 trazemos o reforço do Guilherme Muller e reformulamos a equipe, com o objetivo de ter mais foco nos atletas e investir mais em cada um, buscando vagas olímpicas”, completa.

Além do patrocínio da Cannondale que dá o nome à equipe, também participam do projeto Continental, Crankbrothers, Fabric, Spiuk e Fizik, marcas referências quando o assunto é ciclismo.

Para Viviane Favery, que em outubro foi campeã das Américas na ultramaratona Brasil Ride, ao lado de Marcela Toldi, os objetivos para a temporada 2019 estão bem claros. “Projeto figurar entre as 50 melhores atletas do mundo no ranking da UCI e conseguir vencer minha primeira prova de XCO na elite. E, quem sabe, também encerrar a temporada entre as três melhores do ranking olímpico”, enumera. Em 2018, Vivi venceu  a Maratona Internacional Estrada Real, em Mariana, uma etapa do Brasil Challenge em Ibitipoca e uma etapa da Brasil Ride (além de provas amadoras de maratona).

Sherman Trezza, também campeão das Américas na Brasil Ride ao lado do ex-companheiro de equipe Lukas Kaufmann, tem como objetivo pedalar sempre no pelotão da frente. “Faz 9 anos que me tornei um atleta profissional e quero competir no cenário internacional e conquistar resultados expressivos nas principais provas do circuito”, afirma o campeão brasileiro de Maratona em 2010.

Já para Guilherme Muller, que no último dia 25 conquistou o título da Copa Internacional de Mountain Bike, em Congonhas (MG), a falta de entrosamento com seus novos companheiros não será um problema difícil de ser superado. “Conheço a Vivi há alguns anos e já fui companheiro de equipe do Sherman. Estou ansioso para unirmos forças e fazer um trabalho bastante legal. Sou muito grato pela oportunidade de fazer parte da Cannondale Brasil Racing e espero conseguir evoluir de prova em prova.”

Perfis dos atletas

Viviane Favery Costa
Local de nascimento: São Paulo, São Paulo
Idade: 32 anos
Perfil: Formada em publicidade e propaganda, trocou a carreira de executiva de marketing para ciclista profissional. Começou a pedalar em 2012 e profissionalizou-se no esporte em 2015. Foi bicampeã brasileira de MTB XCM em 2015 e 2017, campeã da Brasil Ride em 2015 e já representou o Brasil em campeonatos mundiais e outras competições internacionais, como etapas da Copa do Mundo de XCO.

Sherman Trezza de Paiva 
Local de nascimento: Lambari, Minas Gerais
Idade: 29 anos
Perfil: Atleta de Mountain Bike XCO (cross country) e XCM (maratona), Sherman terminou 2018 entre os melhores brasileiros no ranking internacional (UCI). Atleta profissional desde 2009, tem no currículo como principais feitos campeão do Brasil Ride 2013, campeão Brasileiro de Maratona 2010, campeão Pan-americano Sub-23 em 2010 e Top 3 Brasileiro MTB XCO nos anos de 2016 e 2017, entre outros.

Guilherme Gotardelo Muller
Local de nascimento: Monte Sião, Minas Gerais
Idade: 25 anos
Perfil: É o terceiro atleta do país no ranking da UCI. Começou a pedalar profissionalmente em 2011 e considera a persistência e a vontade de evoluir suas maiores virtudes. Em 2017 foi campeão da Taça Brasil de XCO e, em 2018, quarto colocado no Campeonato Pan-Americano e campeão da Copa Internacional de Mountain Bike.

Fonte: Esporte&Negócio
Por:  Christian McCardell

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

LUTO: Dia trágico para o ciclismo de Pernambuco

Perdemos dois grandes amantes do ciclismo em um só dia, vítimas de acidentes automobilístico

O dia de hoje 05/12/2018 ficará marcado por duas grandes tragédias que abalou a todos do mundo da bike em nosso estado, e por que não dizer, no Brasil.

Alemão em seu momento de descntração
Logo nas primeiras horas da manhã, a cidade de Ribeirão na Mata Sul do estado, recebe a triste notícia de um atropelamento que tirou a vida do ciclista conhecido por Alemão

Ele que pedalava as margens da BR-101 entre as cidades de Ribeirão e Escada, na altura do Engenho Limão, foi atingido violentamente por um veículo sendo arrastado pelo carro por cerca de 2 metros, vindo a falecer no local.

O ciclista foi arrastado pelo carro por cerca de 2 metros e morreu no local.O homem ainda não foi identificado porque estava sem documentos. O motorista do carro não se feriu e não foi encontrado no local do acidente. A vitima era residente da cidade de Ribeirão na Mata Sul.

Uma testemunha informou que o carro repentinamente pegou o acostamento atingindo o ciclista em cheio, causando esta tragédia. Não se sabe se por cochilo, imprudência ou ainda se o motorista queria dá "un Susto" no ciclista, já que, infelizmente, acontece muito isso de motoristas quererem "tirar fino" quando encontra alguém pedalando nas pistas do Brasil.

Outros ciclistas estavam com ele no momento do acidente mais não se feriram. "Fiquei em estado de choque na hora, nunca aconteceu uma cena dessa na minha frente", falou uma testemunha.

O motorista do carro não se feriu e não foi encontrado no local do acidente. Alemão era residente da cidade de Ribeirão na Mata Sul.e tinha uma loja de peças e consertos de motos próximo da rua Siqueira Campos, na antiga BR-101.

---------------------------------------------------

O segundo fato lamentável do dia aconteceu no final da tarde na cidade de São Bento do Una. 

Valdenice Mendonça, conhecida por Val Motos, residente em São Bento do Una-PE, estava pedalando com um grupo de amigos na estrada que liga São Bento do Una a Capoeiras, quando foi atingida por um veículo gol preto, e não resistindo aos ferimentos, faleceu ainda no local.

Val Motos em uma de suas constantes pedaladas

Val, como era conhecida, era vaidosa e dirigia com sua família a empresa Valmotos que comercializa peças, assessórios para motos e bicicletas. Era uma grande incentivadora da cultura e esportes da cidade.

Ninguém em São Bento do Una acreditou que essa tragédia teria acontecido com uma pessoa tão doce e do bem como era Val Motos.

Um fato curioso entre os dois, é que ambos trabalhavam com motos.

Fica aqui os nossos sentimentos e votos de pesar a todos os amigos ciclistas que foram esta família tão unida e que com certeza está enlutada com o ocorrido.

Resta-nos buscar forças para seguir em frente nas nossas pedaladas e pedir a Deus que dê o conforto aos familiares de Alemão e Val.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Sujou! Ciclista defeca após acidente e se vinga jogando fezes em carro

Caso aconteceu em Columbia, EUA. As autoridades procuram pelo infrator com ajuda de imagens gravadas por testemunhas do incidente

Foto: © Rpeodução/Youtube/The More You Know
Um ciclista tomou uma atitude extremamente nojenta após se envolver em um acidente em Columbia, EUA: ele defecou no chão e jogou as fezes no carro que o atingiu. As informações são do jornal americano The Columbia Valley Pioneer. As autoridades locais agora procuram o infrator com ajuda das imagens gravadas por testemunhas do incidente. "Felizmente, muitas testemunhas interviram porque temeram que a motorista fosse agredida", afirmou o oficial Matt Rutherford.

Segundo testemunhas, antes de defecar no chão, o ciclista tentou abrir a porta do automóvel e abusou verbalmente da motorista. A polícia não tem detalhes da colisão que originou o incidente mas se sabe que nenhum dos envolvidos se feriu durante o acidente. O "atirador de cocô" conseguiu fugir do local antes que as autoridades fossem acionadas. Agora, a polícia procura por um suspeito que identificaram como tendo aproximadamente 35 anos, cerca de 1,77 m e barba, sugestivamente, da cor marrom.

Fonte: R7

Seja um ciclista consciente

Não é de hoje que sabemos do problema enorme que o lixo causa, e a situação só vem se agravando.

Foto: © Camila Melo
Diariamente, vejo algum tipo de lixo jogado nas trilhas, seja uma embalagem de gel, barrinha de cereal, sacolas plásticas ou algum outro tipo de plástico. Uma situação triste, pois muitos dos lugares em que pedalamos tem criação de animais e os mesmos comem esse lixo, passam mal ou até mesmo morrem. Isso tem levado muitos donos a proibirem a passagem de ciclistas em suas propriedades. Um simples plástico demora em média 450 anos para se decompor na natureza, quando não ingerido pelos animais terrestres, ou levado com o vento para rios e mares, poluindo e virando refeição de animais marinhos.

Seja um ciclista consciente, cuide do seu lixo e conscientize seu colega de pedal também. Geralmente as camisetas de ciclismo contam com 3 bolsos, e não custa colocar o lixo que você gera enquanto pedala em um desses bolsos. Espere até chegar em casa para descartar o que você gerou.

A bike nos proporciona conhecer lugares encantadores de um jeito único e especial. Não vamos deixar que nossas trilhas virem uma concentração de lixos, gerados por pessoas que não carregam consigo a verdadeira essência do mountain bike.

Essa consciência vale também para quem pedala no asfalto e nas ciclovias!

O seu lixo é sua responsabilidade!

Por Camila Melo

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Ciclo Vídeo: Um mountain biker canadense desce árvore enorme de bicicleta

Foto: Reprodução / Youtube
Jordie Lunn, é conhecido por construir trilhas de MTB insanas. Desta vez ele fez uma trilha que é de tirar o fôlego, que envolve descer uma árvore pedalando, sim é isso mesmo... ele desce uma árvore pedalando.

Assista no vídeo abaixo esse episódio irádo...

Pedalada na rodovia Anchieta reúne 40 mil ciclistas

Pedal Anchieta reuniu cerca de 40 mil pessoas e ocasionou a interdição parcial da Via Anchieta até chegada a Santos. Polícia registrou 19 acidentes, sendo dois graves.



A via Anchieta recebeu no domingo (2) o maior passeio de bikes de sua história, com esquema especial para que cerca de 40 mil ciclistas pudessem sair da capital, vencer a Serra do Mar e finalmente chegar a Santos.

O percurso de 55 quilômetros do Pedal Anchieta recebeu apoio da Ecovias, administradora da rodovia, e Polícia Rodoviária, depois de conflitos que se estendiam desde 2008. No ano passado, os policiais receberam os participantes com bombas de gás após decisão judicial que impedia a descida das bicicletas.
“O evento nasceu há 10 anos como um protesto em defesa do ciclista e da segurança nas vias. Nosso entendimento era de que, se o Código Brasileiro de Trânsito prevê as bikes, por que não poderíamos usar a rodovia? Agora estamos lutando para consolidar a rota para o litoral, que é o sonho de muitos ciclistas, e manter o passeio todo primeiro domingo de dezembro”, explica o consultor e um dos organizadores do evento, André Pasqualini, 44 anos.


O passeio de ontem saiu do km 12,6, no Sacomã, na capital, com largadas entre 6h e 8h30. Foram registradas filas de cerca de 20 quilômetros de ciclistas nos trechos iniciais, dizem os organizadores.

Duas pessoas tiveram ferimentos graves durante a pedalada, uma delas com fratura e a outra com batida na cabeça. Esta última seguia na UTI em hospital de Cubatão, de acordo com a polícia. “Tivemos outros acidentes sem gravidade. A operação de resgate funcionou bem. No próximo ano, vamos trabalhar mais a conscientização para que os ciclistas não abusem. Mas, pelo grande número de pessoas, tudo acabou bem”, disse o organizador.

Os participantes começaram a chegar a Santos por volta das 11h, onde foram recebidos no centro histórico. A grande quantidade de ciclistas congestionou a rodoviária da cidade, que registrou atrasos nas viagens. De acordo com Pasqualini, 12 mil participantes informaram na inscrição que voltariam de ônibus e as empresas que realizam o transporte se disponibilizaram a aumentar a frota.



O metrô de São Paulo também foi utilizado pelos ciclistas, principalmente na chegada ao passeio. Neste caso, não foram registrados problemas.

Metro ABC
Por Vanessa Selicani 

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Pm faz treinamento para uso de bicicletas no policiamento em maringá

Foto: Divulgação
Alguns policiais militares de Maringá estão passando por um treinamento para o uso de bike no policiamento ostensivo na cidade. O curso está sendo ministrado por policiais do 5º Batalhão de Londrina. Soldados do 4º Batalhão já estão na fase final do curso. Na tarde de quinta-feira (22), os policiais realizaram patrulhamento com bicicletas na Praça Napoleão Moreira da Silva. Várias abordagens foram feitas. Um homem que estava sob suspeita estava com mandado de prisão em aberto.

Os soldados consultaram o nome do homem e foi verificado que o mesmo estava sendo procurado pela justiça. Os policiais de bike pediram apoio de uma viatura para conduzir o meliante para a delegacia da Polícia Civil. A nova forma de policiamento visa trazer agilidade e uma maior proximidade com a comunidade, garantindo a segurança da população.

A Polícia Militar de Londrina iniciou o projeto pioneiro com uso de bicicleta. O objetivo é dar mobilidade ao policial e agilizar o atendimento nas diversas situações, além de ser um tipo de policiamento silencioso, rápido e ecologicamente correto. Durante o patrulhamento de bicicleta na área central da cidade de Maringá, alguns comerciantes aplaudiram os policiais e disseram que são a favor desse tipo de patrulhamento.

O Comando do 4º Batalhão informa que não previsão ou certeza alguma sobre a efetivação desta modalidade de policiamento na cidade Maringá.

Fonte: O Diario.com

Como comprar e vender bikes com segurança na internet

Conheça a SeMexe, a plataforma onde os apaixonados da bike podem comprar e vender com segurança!

Foto: Divulgação
Alguma vez você já ficou tentado em comprar ou vender na internet, seja uma bike ou equipamento esportivo, e ficou desconfiado? Os golpes virtuais ou cybercrimes estão cada vez mais comuns e muitas vezes precisamos “pensar muitas vezes” antes de passar o número do cartão de crédito na internet. Na verdade, é preciso tomar algumas precauções para não sermos enganados.

“Atualmente existem muitos grupos de Facebook e contas do Instagram focados em vendas de bicicletas, além de alguns sites de classificados especializados. A grande questão é que em sua maioria eles fazem apenas o “match” entre comprador e vendedor, sem dar segurança na operação financeira e sem ter maiores cuidados com a procedência de quem está vendendo”- explica Gabriel Novais, sócio fundador da SeMexe, o marketplace do esporte que oferece soluções antifraude em um ambiente 100% seguro para o e-commerce.

“Marketplace is the new black” e esta modalidade de e-commerce está super em alta. Por isso, para evitar fraudes, a orientação principal da Konduto, empresa especializada em tecnologia anti-fraude, é que todas as transações financeiras sejam realizadas dentro do ambiente do próprio marketplace – por isso ele não permite que um vendedor informe contatos como e-mail ou número de telefone abertamente, aumentando o risco de golpes.

Não caia em furada
“Tente sempre comprar uma bike que o dono tenha a nota fiscal. Além de ser uma garantia de que não é roubada, também garante a sua posse da bicicleta, no caso dela ser roubada e recuperada no futuro. Além disso, em geral é uma necessidade para quem quer fazer seguro. Hoje em dia com lojas mais informatizadas, muitas vezes é possível pedir uma segunda via da nota, caso o dono tenha perdido” - explica Pedro Cury, responsável pelo site Bicicletas Roubadas, no qual é possível consultar uma bike pelo número de série do chassi (que fica posicionado embaixo do movimento central) do quadro.

O passo a passo para você vender sua bike na internet

Se você deseja vender sua bike na internet, provavelmente a primeira coisa que você fez foi pesquisar como fazer isso. Mas para sair do óbvio como, por exemplo: revise sua bike, faça uma descrição completa e tire boas fotos, vamos tentar dar mais dicas que podem realmente fazer a diferença:

O que escrever no anúncio?
A descrição do produto vai além das informações básicas sobre sua bicicleta ou equipamento. Quanto mais detalhes, melhor. Assim evita perguntas redundantes e curiosos. Por isso, certifique-se de colocar no anúncio:
Marca
Modelo
Modalidade (tipo da bike)
Ano de fabricação e/ou compra
Tamanho do quadro
Material do quadro
Tempo e características de uso
Número de marchas/ velocidades
Componentes (grupo de transmissão, freios, rodas, pneus, cockpit, pedal, acessórios...)
Procure adicionar comentários sobre o verdadeiro estado de conservação do produto e o que acredita ser relevante. Ahm, não esqueça de revisar seu anúncio, evitando os erros de português, dessa forma você irá ganhar credibilidade e facilitará sua venda.

O lado visual
Caprichar nas fotos pode parecer bastante óbvio, não é mesmo? Afinal, já dizia o ditado que “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Mas o que isso realmente quer dizer? O que é importante mostrar da bike? Existe algum recurso ou app para ajudar?
Calma, são muitas perguntas, por isso vamos por tópicos para te ajudar a apresentar sua bike com capricho, mas sem falsidades.
Be-a-bá - Primeiro você precisa do registro básico da sua bike. Posicione ela lateralmente mostrando o lado da transmissão; faça fotos do outro lado também. Tire fotos sob o ângulo frontal (valorizado nas bikes aero de ciclismo estrada e triathlon).

Foco nos detalhes
toda bicicleta tem suas particularidades, por isso dê atenção aos diferenciais do modelo. Por exemplo, um quadro em fibra de carbono; uma roda com cubo com rolamentos de cerâmica; uma suspensão com ajuste; pneus novos; guidão clip… enfim, tudo que considere interessante.
Recursos avançados - Não precisar ser fotógrafo profissional ou ter um equipamento fotográfico de última geração para capturar sua bike. Um smartphone com uma boa câmera pode resolver. E quem deseja um registro mais profissional, o app Adobe Lightroom é um dos mais renomados, também disponível para os usuários do Android, com filtros e recursos para corrigir aquela falta de luz na hora do click. Outra dica é usar o modo “retrato” da câmera do celular, o recurso ajuda a foto enquadrar o que você quer, desfocando o fundo, criando um efeito muito bacana. Por último, não mesmo importante, a dica é inovar com uma foto 360 graus, isso mesmo, o próprio Facebook aceita esse formato, basta usar o recurso de foto “Panorama” ou um app que faz essa função, como o Câmera Cardboard.

E por que não gravar um vídeo?
É comum as mídias especializadas e atletas profissionais apresentarem os equipamentos com um vídeo, que intitula-se bike check. Sem dúvida, pode ser um ótimo recurso gravar todos os detalhes da sua bike, ao mesmo tempo que descreve os itens que compõem o equipamento. Lembre-se de encontrar um local silencioso e com boa luz, antes de gravar o vídeo de no máximo 1 minuto de duração.

Expectativa X realidade
Na hora de estabelecer o valor de venda, faça uma pesquisa de mercado e seja realista. É claro que criamos um valor sentimental de nossa bicicleta e nem sempre é fácil desapegar. No entanto, foque no seu objetivo: vender num valor justo, por isso, avaliar o real estado de condição do produto e descontar as depreciações são essenciais para fazer um negócio. Afinal, uma bike parada enferrujando não é vantagem para ninguém. Use as dicas já mencionadas acima e faça seu marketing pessoal para promover seus anúncios. A dica final é você usar o link do seu anúncio na SeMexe, por exemplo, e espalhar nas suas redes sociais e lista de contatos do Whatsapp. Seja criativo na abordagem e bons negócios!

Negócio Seguro
Existem algumas formas de fazer negócio, em que os riscos estão relacionados aos cuidados tomados pelo comprador / vendedor. Por isso pesquise e busque canais confiáveis.
“Oferecemos uma busca especializada, com filtros desenhados por quem entende de bike. Além disso, somos obcecados por segurança e pela experiência do consumidor. Todos os vendedores são checados individualmente e temos um time que aprova item por item pra garantirmos a qualidade do que vai para nosso site. E ainda falando de segurança, toda a transação financeira acontece dentro da SeMexe e o dinheiro só cai na conta do vendedor quando o comprador confirmar que recebeu tudo direitinho. Ah, e não tem custo para cadastrar o produto (apenas uma comissão quando a venda acontece) e o comprador pode parcelar em até 12 vezes!” - explica Rafael Papa, sócio fundador da SeMexe, que pontua alguns dos diferenciais da plataforma.
“Não somos apenas um Marketplace da bike. Somos uma marca do esporte, que busca entender o que atletas amadores e entusiastas querem de fato. Nossa missão é levar o esporte para mais pessoas e aumentar o tempo de vida de itens esportivos incentivando a economia colaborativa” - complementa.

Diferenciais

E para que a transação seja tranquila e ninguém seja lesado: os especialistas da SeMexe ainda destacam:
Garantia de procedência - Todos os produtos cadastrados no marketplace passam por uma verificação. E a plataforma busca em breve associar-se com sites que são referências, como por exemplo, o Cadastro Nacional de Bicicleta RoubadasBike Registrada e o Minha Bike, registro estadual de bicicletas do Estado do Paraná.
Pesquisa de reputação do vendedor/comprador: Os usuários cadastrados têm que apresentar o documento de identidade, adicionando uma “Selfie de Segurança” ao formulário de cadastro para que suas informações sejam checadas.
Desistiu da compra? Tudo bem. O comprador na SeMexe tem o prazo de 07 (sete) dias corridos, contados a partir da data de recebimento do produto, para solicitar a devolução do produto.
Fonte: Bike na Mídia

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Prêmio Brasil Olímpico - VOTE! - HENRIQUE AVANCINI

Henrique Avancini
Organizado pelo Comitê Olímpico do Brasil desde 1999, o Prêmio Brasil Olímpico chega a sua 20ª edição. A festa é considerada o Oscar do esporte brasileiro, onde os melhores atletas do país concorrem a diversos prêmios e são homenageados pela performance do ano.

Uma das premiações mais concorridas é o “Atleta da Torcida”, decidida diretamente pelo público. A votação já está aberta e se encerrará momentos antes do fim da cerimônia, que será realizada no dia 18 de dezembro, no Teatro Bradesco, no Rio de Janeiro.

OS ATLETAS
Para concorrer ao Atleta da Torcida, o Comitê Olímpico do Brasil selecionou dez atletas ou duplas que se destacaram durante o ano de 2018 e tiveram bom desempenho em suas redes sociais.

VOTE AQUI

HENRIQUE AVANCINI - CICLISMO MTB
MARTA - FUTEBOL
BRUNO REZENDE - VÔLEI
BRUNO FRATUS - NATAÇÃO
ÁGATHA E DUDA - VÔLEI DE PRAIA
EDUARDA AMORIM - HANDEBOL
GABRIEL MEDINA - SURFE
ERIKA MIRANDA - JUDÔ
LETÍCIA BUFONI - SKATE
ARTHUR ZANETTI - GINÁSTICA

 É você que decide quem leva esse prêmio para casa! Participe!

Vamos nos unir e mostrar a força do CICLISMO - MTB  que a cada dia que passa, vem crescendo no Brasil, apesar do pouco incentivo que tem, mas que revela grandes heróis.

Vamos votar no nosso maior representante que é HENRIQUE AVANCINI.


OU VOTE AQUI