Subscribe:

Parceiros

.


sexta-feira, 28 de abril de 2017

Se a Terra nos tratasse como nós tratamos a Terra?

Ser ciclista é também ser um indivíduo que se preocupa com a própria saúde e a saúde do nosso planeta.

A realidade, porém, é que muitas ações dos seres humanos prejudicam o planeta.

Este vídeo, publicado pelo Quebrando o Tabu, inverte os papéis e mostra como seria se a Terra nos tratasse como nós tratamos a Terrra.
Vale o play para refletir...

Quer uma companheira de pedal, então faça a coisa certa!


Vários homens se queixam de suas companheiras (esposas, namoradas, amigas) não fazerem companhia a eles nos passeios e/ou treinos de bicicleta e gostariam verdadeiramente que elas se juntassem a eles no pedal.

Muitos deles não percebem que cometem erros neste processo de motivação de suas parceiras. Querendo ajudar acabam piorando a situação porque não observam detalhes importantes para ajudá-las a ingressar no mundo da bicicleta de forma correta e não traumática. Segue alguns erros comuns e as minhas dicas para evitá-los:

Bicicleta

Nada de emprestar a sua bike velha e encostada há anos para a sua parceria só para ver se ela vai gostar de pedalar. É claro que não vai dar certo! Primeiro que uma bicicleta masculina, devido a sua geometria ter sido desenvolvida especificamente para um homem, não ficará confortável para uma mulher. Segundo que o tamanho do quadro também pode não ser adequado, pois para cada estatura deve ser usado um tamanho de quadro de bicicleta. Então comece a sua empreitada escolhendo a bicicleta correta para a sua mulher. Vá a uma loja especializada, nada de bikes montadas, etc. Certifique-se que a marca escolhida oferece modelos femininos e do tamanho correto para a sua companheira.

É comum homens usarem uma bike muito top e a companheira com uma bike muito básica. Durante o pedal o homem exige da mulher o mesmo rendimento! Assim não vale, não é? Fique atento para não incorrer neste erro.

Muita paciência

Se você tem certeza de que a sua companheira está com a bicicleta correta e de que ela está feliz com a mesma, quando sair para um passeio lembre-se do seguinte:

Você pedala mais e melhor que ela, portanto não espere grande desempenho de sua parceira. Você deve ir no ritmo dela.

  • Lembre-se que pela experiência você deve ter mais facilidade e domínio na pilotagem da bicicleta, aquilo que óbvio para você, não é para a sua companheira. Não ridicularize, não dê bronca, não dê risada! Apenas a ajude a superar todas as dificuldades por mais simples que pareçam ser.
  • Se ela não domina as técnicas de pilotagem, ensine-a antes de sair para um passeio. Treine, ajude-a. Caso você não tenha paciência, didática ou tempo para ensiná-la, a motive buscar ajuda de uma escola de pilotagem de bicicleta, assim ela aprenderá sem traumas, corretamente e muito mais rápido.
  • Cuidado ao escolher o primeiro passeio. Pense antes de definir o percurso: qual será a quilometragem que ela conseguirá percorrer no primeiro passeio, qual o grau de dificuldade do percurso, qual a experiência dela para o tipo de percurso escolhido. Portanto se ela não tem experiência e nem técnica de pilotagem, comece devagar, vá a lugares fáceis e vá intensificando o grau de dificuldade à medida da evolução de sua companheira.

Respeite as diferenças

É bem certo que inicialmente a sua mulher pedale mais devagar, pois tem menos força, menos experiência. É importante respeitar as diferenças. Não queira que ela pedale tão forte quanto você. Respeite o ritmo de pedalada dela para que você tenha a sua companheira a seu lado.

Interesse em comum

Certifique-se de que a sua companheira também se interessa por pedalar. Mostre para ela os benefícios que a bicicleta trará, não somente para ela e sim para ambos. Mostre o quão importante é a presença dela nos seus passeios de bicicleta. Ajude-a fazer parte de grupos femininos de pedais, acompanhe-a nos primeiros encontros com estes grupos, seja solidário e companheiro.

Regularidade, planejamento, persistência

Junto com a sua companheira planeje os passeios e os treinos que farão juntos. Mantenha a frequência, quanto mais próximos um pedal do outro, mais familiaridade com a bicicleta a sua companheira terá. Sejam persistentes, avaliem os pontos altos e baixos de cada passeio. Trabalhem as dificuldades para que no próximo passeio elas sejam menores. Não desistam, sejam persistentes.

Definam um objetivo para fazerem juntos como um passeio mais longo ou uma cicloviagem. Planejem e treinem para o desafio.

A importância do seu papel como agente de mudança

Você sabia que no Brasil apenas 7% dos ciclistas são mulheres? Este dado é semelhante no mundo todo, com exceção na Dinamarca, onde há um equilíbrio entre homens e mulheres. Portanto o seu papel como influenciador e motivador é extremamente importante para que as mulheres consigam pedalar, para que consigam inserir a bicicleta em seu cotidiano.

Se você cometeu alguns destes deslizes está na hora de rever a situação e dar a vocês uma segunda chance. Nada como um passeio divertido e gostoso para aproximar o casal e fortalecer a relação!

Fonte: Revista Bicicleta - Por Claudia Franco

Ciclistas desenvolvem aplicativos para ajuda mútua

Aplicativos facilitam a cooperação entre os ciclistas vítimas de assaltos ou têm de consertar a bicicleta longe de casa.

Foto: Divulgação
Ciclistas de grandes cidades estão desenvolvendo aplicativos de smartphones para se ajudarem mutuamente diante do desafio de se deslocar de bicicleta nas metrópoles, em meio ao trânsito e, por vezes, enfrentando violência.

Dois dos aplicativos, o Alerta Bike e o Bike Ajuda, desenvolvidos em Curitiba e em São Paulo, respectivamente, facilitam a cooperação entre os ciclistas vítimas de assaltos ou que estejam enfrentando uma quebra mecânica longe de casa.

“Os ciclistas naturalmente cooperam entre si, se ajudam mesmo. Essa comunidade já existe, o aplicativo foi o modo de tentar otimizar isso”, disse o ciclista Daniel Moral, idealizador do Bike Ajuda.

Ele conta que teve a ideia de criar o aplicativo quando pedalava na ciclovia da avenida Faria Lima, na capital paulista. O pneu de sua bicicleta furou e ele estava atrasado para uma reunião. “Comecei a parar o pessoal, ver quem poderia me ajudar, e uma pessoa me ajudou, tinha lá remendo, tudo, e resolveu o meu problema. Naquela hora, eu pensei: precisa ter um formato, um mecanismo para eu conseguir automatizar isso.”

O Bike Ajuda desenvolvido por Daniel funciona da seguinte forma: quando o ciclista enfrenta um problema, como uma quebra mecânica, ele aciona o botão de emergência no aplicativo. O programa emite uma mensagem de socorro para todos os ciclistas que utilizam a ferramenta eletrônica e estejam nas proximidades do ocorrido.

“O GPS do celular localiza onde você está, informa sua localização e dispara a mensagem em um raio de cinco quilômetros para todos os ciclistas cadastrados que estiverem mais próximos. Ele vai encontrar algum ciclista, ou um mecânico profissional. O mecânico é o único que pode cobrar pelo serviço, o ciclista é voluntário”, explicou.
Caso nenhum ciclista ou mecânico seja encontrado, o Bike Ajuda, então, informa uma lista de oficinas de bicicletas das proximidades, em que se possa buscar socorro.

O aplicativo gratuito, disponível até o momento apenas para celulares da Apple, será lançado nos próximos meses também para o sistema Android. Em funcionamento desde outubro de 2016, a ferramenta tem sido utilizada, na maioria das vezes, para buscar socorro para ocorrências de pneu furado, e também para a localização de oficinas mais próximas.

“A gente já fez bastante ajuste, reforçamos a segurança. Quando a pessoa se cadastra, ela recebe um SMS com código de cadastro, confirma e-mail, CPF. Colocamos uma avaliação maior por conta de ter medo de ser uma pessoa de má-fé, e vá lá e roube uma bicicleta”.

O aplicativo também pode ser usado em caso de acidente ou de assaltos. Nesse caso, ele funciona como um atalho, e faz a ligação para o Samu ou para a Polícia Militar.

Bicicleta Recuperada

O professor e ciclista Jackson Luís Cunha, idealizador do Alerta Bike, desenvolveu o aplicativo devido ao alto índice de roubos de bicicletas em Curitiba. A ferramenta funciona de maneira similar ao Bike Ajuda, usando a rede de usuários para ajudar um ciclista em perigo.

“Eu desenvolvi, e usávamos entre amigos. Inclusive tivemos a felicidade, enquanto o aplicativo era beta [versão de teste], e só nós tínhamos, aconteceu um furto, e nós conseguimos localizar a bicicleta em menos de duas horas”, disse.

Objetivo do aplicativo é alertar instantaneamente as pessoas em caso de furto ou roubo. “As pessoas que têm o aplicativo recebem o alerta na hora, com a foto da bike, endereço do ocorrido, e até informações dos envolvidos do roubo”, afirmou Jackson.

No aplicativo gratuito, que já está disponível para Android, o ciclista registra, no momento do cadastro, fotos da bicicleta, e demais características. Caso ocorra um roubo ou furto, um alerta é emitido para os demais usuários com a foto, modelo da bicicleta, e o local. O alerta também pode ser compartilhado nas redes sociais, e ampliar a divulgação do ocorrido.

“As pessoas podem se comunicar, informar se viram sua bicicleta em alguma região. Existe um chat [bate-papo] dentro de cada ocorrência.”

Fonte: Brasil Cycle Fair

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Freios - Qual tipo é o mais indicado para o seu uso?

Foto: Shutterstock
Os freios são uma das partes mais importantes da sua bike, pois sem eles como você conseguirá parar de maneira segura? Se não houvesse freios, não poderíamos pedalar nas velocidades que conseguimos, pois cada vez que precisássemos parar ou diminuir a velocidade para fazer uma curva precisaríamos por os pés no chão ou nos jogar de cima da bike. Mas você sabe qual tipo de freio é o mais indicado para o seu uso, você sabe? Existem alguns modelos de freios no mercado, alguns mais eficientes que outros, porém cada um com suas particularidades e usos possíveis.

Cantilever
É o tipo mais barato e simples de todos. É acionado através de um cabo de aço que é ligado a outro cabo de aço formando um “Y” e cada um dos lados faz com que as pastilhas entrem em atrito com o aro, fazendo com que a bike freie. É um sistema complicado de regular, que exige muita força nos manetes para parar a bike e não têm modulação, motivos que fizeram com que o freio Cantilever caísse em desuso. Para quem pretende fazer pedaladas mais urbanas e não precisa de um sistema muito elaborado e caro de freios, pode ser uma boa opção.

V-brakes
É o modelo mais utilizado hoje em dia, e também a evolução do modelo Cantilever. Funciona com um cabo de aço que diretamente aciona as pastilhas, puxando de um lado e empurrando do outro ao mesmo tempo. O braço que sustenta as pastilhas faz uma alavanca para garantir uma força suficiente para uma boa frenagem. A grande vantagem dos freios V-brakes é o preço e a facilidade de manutenção, o que os tornam uma belíssima opção para quem não utiliza a bike para competições e necessita de um freio com bom desempenho. Outro problema desse sistema é que algumas bikes já não vêm mais com pinos para a instalação do V-Brake.

Ferradura
Este modelo equipa as bikes mais antigas e a maior parte das bikes de Speed da atualidade (inclusive no Tour de France). É um sistema que conta com um cabo de aço puxado pelo manete, forçando o fechamento da pinça, e das pastilhas por conseqüência, sobre o aro. É um sistema que é usado faz décadas, e para bikes com pneus finos funciona muito bem.

V-brakes Hidráulicos
O V-brake Hidráulico é o modelo de freio mais utilizado no Bike Trial, pois é o modelo mais forte de todos. É um modelo com um custo alto e também mais pesado quando comparado ao V-brake mecânico. É utilizado na roda traseira pelos praticantes de bike Trial e uma das únicas marcas existentes que fabricam esse modelo é a alemã Magura.

Freio a Disco Mecânico

Não possuem a mesma força que um freio a disco hidráulico, porém contam com uma manutenção extremamente mais baixa, pois não conta com os caros componentes hidráulicos como conduíte e nem manete hidráulico. Caso de problema, geralmente, basta trocar o cabo e partir pro abraço. É um modelo que ao contrário dos modelos anteriores, atua no cubo da roda ao invés do aro. É composto por: rotores (discos), presos no cubo (centro da roda), manetes, e cálipers ou pinças (estrutura que contem as pastilhas). Os calipers do freio dianteiro são fixados na suspensão ou no garfo e os traseiros num suporte especifico no quadro. A função dos calipers é pressionar as pastilhas contra os discos. Para muitas pessoas um freio V-brake top de linha é melhor que um freio a disco mecânico.

Freio a Disco Hidráulico
É o sistema top de linha da atualidade, todos querem ter um freio a disco hidráulico, o que está tornando o sistema cada vez mais comum e barato. Permite frear a bike em altas velocidades com a utilização de apenas um dedo no manete, controlando a dosagem da freada sem travar a roda, o que garante a segurança do ciclista em descidas, trilhas ou situações em que você precise diminuir a velocidade rapidamente sem ser arremessado por cima do guidão. O sistema nesses freios funciona com óleo, que sai do reservatório no manete, passa por dentro dos conduítes até os calipers e ativa as pastilhas que assim como o sistema mecânico, atua sobre os cubos das rodas. As desvantagens são: manutenção e alto custo de alguns modelos.

Por fim, se sua bike tiver os freios Cantilever e eles estiverem funcionando bem para seu uso, mantenha-os. Caso estejam te deixando na mão, é melhor trocar pelos V-Brake. Agora, se sua intenção for fazer trilhas, é melhor e mais seguro começar a preparar o bolso para comprar um bom sistema hidráulico, pois assim você estará garantindo um melhor desempenho e segurança. E não esqueça, um V-brake bem regulado muitas vezes é melhor que um a disco de baixa qualidade.

Hoje em dia, algumas bikes de Speed já vêm com freios à disco hidráulicos e a UCI já liberou o uso nos pelotões de competições do Pro Tour, como o Tour de France. Agora resta aguardar para ver como o sistema irá se sair nas maiores provas de estrada do mundo para consolidar de vez, ou não, o sistema.

Fonte: Blog Free Force

Por que a alimentação para ciclistas é fundamental?

Foto: Divulgação
As vantagens do ciclismo para a saúde do corpo e da mente são inúmeras. Mas você sabia que uma alimentação adequada potencializa os resultados sobre duas rodas?

Para ajudar você a usufruir melhor dos benefícios desse esporte, daremos 5 sugestões de alimentos para incluir na sua dieta. Antes, no entanto, explicaremos por que a alimentação para ciclistas é fundamental. Vamos lá?

Qual a importância da boa alimentação para ciclistas?

A escolha dos alimentos reflete diretamente no desempenho do ciclista durante a pedalada. As consequências ainda extrapolam o rendimento na bicicleta e afetam a saúde física: as dores musculares e o mau funcionamento do organismo são sintomas comuns quando se descuida da dieta.

Pratos pesados e ricos em gorduras devem ser banidos do cardápio porque o organismo demanda mais tempo para digeri-los.

Após o consumo, o fluxo sanguíneo se concentra no processo digestivo e não se espalha para o resto do corpo enquanto exercitado. Andar de bike logo depois de consumir esse tipo de alimento resulta em desconforto gastrointestinal.

Ingerir carboidratos, proteínas e antioxidantes é o recomendado para quem pratica ciclismo, seja por esporte, seja por lazer. Entenda o motivo de priorizá-los:

Carboidratos

Os carboidratos são macronutrientes responsáveis pelo fornecimento de energia para as células. Eles são armazenados no corpo na forma de glicogênio, fonte poderosa de energia para os músculos e para a performance física. São encontrados em batatas, arroz, massas e pães, por exemplo.

Proteínas

As proteínas são moléculas essenciais para a reparação dos tecidos e a reposição do gasto energético. Ótimas fontes de proteína — feijão, leite, queijo, carne e ovos — garantem a síntese proteica, que recupera os músculos.

Antioxidantes

Os antioxidantes combatem os radicais livres, que podem causar envelhecimento precoce, morte celular e outras doenças. A produção dessas substâncias danosas está ligada aos exercícios intensos, além de fatores externos.

Frutas cítricas, pimentão, cenoura e espinafre são ricos em vitaminas e em propriedades antioxidantes, como o betacaroteno, ideais para neutralizar os radicais livres.

Que alimentos os ciclistas devem consumir?

1. beterraba
A beterraba produz óxido nítrico no organismo, importante dilatador de vasos, o que favorece o transporte de sangue oxigenado aos músculos. O resultado? Melhor rendimento no pedal!

2. espinafre
Ele nutre os músculos e elimina as toxinas dos vasos sanguíneos, além de fornecer energia para o corpo. A exemplo da beterraba, o espinafre ajuda a melhorar o desempenho físico.

3. iogurte
Fonte de cálcio e carboidratos, o iogurte fortalece e estimula o crescimento do tecido muscular. Antes de pedalar, ele é uma boa pedida acompanhado de frutas e cereais.

4. maçã
A fruta é rica em vitaminas, o que é excelente para fortalecer a imunidade, e contém propriedades antioxidantes. A maçã modera o apetite, por isso é bom comê-la antes do passeio.

5. pão integral
Ele é uma fonte preciosa de energia por ser rico em carboidratos. Além disso, graças às fibras, auxilia no funcionamento do intestino.

E quanto à hidratação dos ciclistas?

Hidratar-se é o hábito indispensável na dieta não só do ciclista, mas de qualquer ser humano. A regra é beber água antes, durante e depois dos exercícios sem esperar sentir sede, porque ela já é sinal de desidratação.

Outra forma apropriada de ingerir líquidos é por meio de alimentos com alto potencial de hidratação. Entre eles, estão: leite, alface, morango, ovo, acerola, melancia e maçã.

A alimentação para ciclistas tem o papel fundamental de garantir a saúde e o bom desempenho no passeio de bicicleta e na vida do praticante. Antes de subir na bike, avalie o que consumir e a quantidade, sem deixar a água de lado!

Você consome algum dos alimentos citados ou tem mais sugestões? Deixe seu comentário!

Fonte:  Bike Registrada

sábado, 15 de abril de 2017

Parabéns Ciclistas. Hoje é o nosso dia.

15 de Abril – Dia Mundial do Ciclista

Hoje se comemora o Dia Mundial do Ciclista. Vale lembrar o benefícios que a bicicleta traz.



No dia 15 de abril comemoramos o Dia Mundial do Ciclista, uma data pela qual destacamos os benefícios de andar de bicicleta. 

Pedalar melhora o condicionamento físico, aumenta a capacidade cardiorrespiratória e a prática está entre as mais apropriadas na prevenção e tratamento de doenças como: hipertensão, colesterol alto, infarto do miocárdio, entre outras.

Segundo os especialistas, andar de bicicleta auxilia na prevenção de distintos problemas decorrentes do sedentarismo. Porém, é necessário realizar uma avaliação médica para definir a intensidade do exercício, visto que cada indivíduo conta com um determinado peso e condicionamento físico.

A população tende a se sentir desestimulada a usar a bicicleta como meio de transporte, pois as grandes cidades contam com a falta de infraestrutura e  intervenções mais precisas com relação ao comportamento dos motoristas com relação aos ciclistas.

Quanto mais se pedala, mais o metabolismo acelera. Mantendo uma boa hidratação (antes, durante e após o treino) o corpo tende a potencializar e os processos orgânicos, incluindo a eliminação de toxinas e isso resulta no melhor funcionamento dos rins e na diminuição da retenção de líquidos.

As pedaladas tornam o coração mais fortalecido e os pulmões tendem a respirar com mais qualidade fazendo com que o metabolismo se torne mais eficiente, e permite que a renovação celular ocorra mais rapidamente e a eliminação de toxinas aconteça mais acelerada.

Antes de iniciar a atividade física com a bicicleta é necessário observar o sistema osteomuscular e os  portadores de cardiopatias, diabéticos e hipertensos devem consultar um médico para verificar de que forma podem se exercitar sem riscos.



"Viver é como andar de bicicleta: É preciso estar em constante movimento para manter o equilíbrio". Por: Albert Einstein

Parabéns a todos nós ciclistas que fazemos de nossas magrelas, companheiras inseparáveis.

Mesmo com toda dificuldade como falta de estruturas nas cidades,desrespeito dos motoristas nas estradas e tantas outras complicações que encontramos para pedalar, não desistimo e continuamos pedalando firmes e incentivando a todos para que façam o mesmo.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Padalada da Paixão 2017

E de repente... estamos aqui, de volta para participar de mais uma Pedalada da Paixão.

Preparação antes da saída na Hill Bikes
  Com a rapidez que o tempo está passando, até parece que foi ontem que vivenciamos esta mesma alegria ao lados de velhos e novos amigos.

A PEDALADA DA PAIXÃO, evento tão esperado por todos os amigos que amam pedalar, seja que modalidade for. 

Todos se preparam para fazer bonito e marcar presença neste evento que a cada ano que passa, só aumenta em quantidades de participantes e qualidade nos eventos realizados pelas empresas do ramo de bicicletas e também por grupos do ciclismos que juntam a galera e partem para esta aventura de várias cidades da região.

Destacamos aqui Santa Cruz do Capibaribe que levou centenas de amigos das mais diversas idades e dos mais variados níveis que fizeram bonito e se confraternizaram independente de qual turma ou equipe estavam participando.

Há seis anos que participo da Pedalada da Paixão e sempre acompanho a turma da HILL BIKE por me entrosar mais com a turma que desde o inicio de minhas pedaladas acompanho nos pedais da vida.

Mais uma vez a HILL BIKE  seguiu a risca o predeterminado e deu toda assistência aos participantes de sua pedalada com carro de apoio na ida e na volta para aqueles menos preparados, ambulância, vários pontos de apoio durante os 55km até Fazenda Nova, onde se encontrava o ponto de chegada para que os amigos pudessem comemorar a vitória de ter concluído o percurso com muitas frutas para repor as energias para a volta pra casa.

Dentre as muitas turmas de pedal que estavam presentes, destacamos a do turma do CICLO MANIA que sempre está presente apoiando e divulgando os mais variados eventos relacionados a bikes.

Também tivemos IRAM BIKE que novamente levou sua galera com todo apoio necessário sem deixar nada a desejar.

A galera do ONDE É O PEDAL? não poderia faltar e se uniu para fazer o seu pedal sem pressa e sem stress, todos juntos e misturados.

AMIL BIKE também fez bonito e levou seu bloco pra avenida, ou melhor, para a estrada.

Registramos alguns momentos do pedal de hoje e trazemos a seguir

Mulheres presentes mostrando sua força e dando exemplo
Ponto de partida na HILL BIKES onde a turma se confraternizou na saída.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
  
Equipe de apoio dando mais segurança ao evento
 

 

 

 

Turma do brejo da Madre de Deus presente no pedal da Hill Bikes

 

Eu com meu primo Laércio do Brejo, grande incentivador do pedal
Estrada a fora, vamos seguindo rumo a Fazenda Nova

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio acompanhando a galera por todo percurso

 

 

 

 

Turma ONDE É O PEDAL?  junto e misturado com Gyba Trilha


Não esquecer de fazer aquela oração pedindo proteção a todos
os ciclistas que pegaram a estrada para que mal nenhum aconteça

 


E vamu simbóra que lá vem a chuva...

 

 

 

Devido a chuva que graças a Deus caiu durante nossa ida até próximo a Toritama, algumas fotos ficaram molhadas e não prestaram. pedimos desculpas a  que saiu na foto, mas não saiu aqui no blog.

Passada a chuva e após uma "limpada" básica no equipamento fotográfico, continuamos a registrar nossa viagem quando nos deparamos com pontos de apoios da Hill Bike e Iram Bike.

Logo após Toritama a Hill Bike está pronta para receber a galega que precisa de algum tipo de apoio.

Primeiro ponto de apoio da Hill Bikes

 

 

 

Mais a frente a Iram Bike também montou seu stand de apoio para que seus parceiros tenham toda estrutura necessária disponível.

Toda essa estrutura serve de incentivo para que muitos iniciantes marquem
presença na PEDALADA DA PAIXÃO

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parte do percurso realizado, chegamos ao Lampião. Lugar que para muitos é um desafio a ser quebrado chegar aqui. aos ciclistas de primeira viagem, a meta inicial é chegar no Lampião, e a partir daí tudo é felicidade e prazer.

Parada obrigatória para aquela tradicional foto em frente ao cangaceiro

 

 

 

 

 

Durante nossa viagem, nos deparamos com vários casais que se uniram para irem juntos a Fazenda Nova, Foi bonito ver os esposos incentivando as companheiras na prática do pedal. Destacamos este casal abaixo, Paulinho Ramos e sua esposa Nataly para representar todos os outros casais que estavam juntos e unidos na Pedalada da Paixão, abrilhantando o evento e mostrando que pedalar junto, é muito mais gostoso.

Parabéns pelo incentivo a esposa no pedal
Parada em Itaúna como é de costume para conversar um pouco sobre o que passamos até aqui, reencontrar os amigos antes da parada final e comer alguma coisa. A parada até que foi legal, mas o resultado posterior não foi muito satisfatório para mim, vida que segue...

 

 

 

Enquanto paramos ali e observávamos o movimentos, eis que passa o determinado Raí Vitorino que saíra ás 23:00h da noite anterior com destino a Fazenda Nova caminhando juntamente com outros determinados guerreiros.

 

Até que não foi tão cansativo quanto a primeira vez que fiz este percurso há seis anos atrás. Chegamos a Fazenda Nova por volta das 9:30 

Mais uma vez marcando presença na
PEDALADA DA PAIXÃO

 

 

Voltar pra casa é preciso, e desta vez alguns amigos preferiram voltar pelo mesmo caminho que vieram e assim a turma se dividiu entre os que voltaram pelo asfalto e os que vieram pelas novas trilhas, por estradas mais pesadas cruzando serras e trechos mais difíceis e duros. O que não quer dizer que foi sofrido, pelo contrário, foi uma volta gostosa e de muito prazer vivenciando o que o mountain bike nos proporcionam.

 

 

 

 



 

 

 

 



Parada obrigatória para o verdadeiro pitstop.. ninguém é de ferro e após 70km de pedal, uma boa refeição é sempre bem vinda.


Uma fanta acinturada, gelada e gostosa.. até q desceu fácil

 


Todos com as forças renovadas, agora sim, vamos pra casa com mais disposição.

 



 



 



 



 



 



 

Depois de subir Seu Naé, ás 11:30, bateu aquele cansaço

 

 

  

 


Ufa... Agora é só comemorar e agradecer mais uma missão cumprida. mais um pedal realizado com os amigos na proteção de Deus, onde nada saiu do controle e tudo foi perfeitamente tranquilo e na paz.

Última parada antes de cada um pegar o seu destino final, que é sua casa, seu lar. Todos chegaram bem... cassados, mas bem. Isso é o que importa. viver mais um dia entre amigos curtindo a natureza e fazendo aquilo que mais se gosta. cada um do seu jeito, com suas limitações, suas disposições, mas com um único objetivo que é viver de maneira saudável.

 

 

 

É isso pessoal, fazer o que te faz bem, o que te dá prazer. Nós gostamos de pedalar, fazer novas amizade e dá boas risadas. É sofrido? Ás vezes sim, pois os caminhos nem sempre são fáceis de encarar. Mas isso é o bom do pedal. Se superar a cada dia, a cada dificuldade.

Quantos agora não estão contando vitórias e felizes consigo mesmo por terem conseguido não apenas a primeira meta que era chegar no Lampião? Mas sim completar os 90km de todo percurso. Dizer que é fácil, não é. Mas é possível, desde que você acredite em você mesmo e confie que se você quiser, ano que vem estará conosco fazendo a sua estória acontecer;

 


 

 

PARABÉNS A TODOS!

Esta postagem teve o apoio de: 

Visite:Facebook