Subscribe:

.


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Você Sabia? Atividade física turbina o cérebro em qualquer fase da vida

Mexer o corpo fortalece tanto a massa muscular quanto a cinzenta. Foi o que uma análise de oito estudos com voluntários acima de 40 anos concluiu, onde pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, entenderam que o fato de a pessoa não gastar o dia inteiro sentada já está associado a uma melhor performance em testes cognitivos (e a uma probabilidade reduzida de demência). Segundo a orientadora do levantamento, a neurocientista Teresa Liu-Ambrose, ações simples como de vez em quando levantar da cadeira para dar alguns passos e subir escadas fariam diferença nas nossas faculdades mentais. Outra conclusão dos estudos foi a de que tanto modalidades aeróbicas (caminhada, bicicleta...) quanto a musculação conferem destreza à cabeça, e que a combinação das duas traz melhores resultados.



Mas essas vantagens não são só para pessoas acima de 40 anos. Em 2003, a educadora física Hanna Karen Moreira Antunes, hoje coordenadora do Curso de Educação Física da Universidade Federal de São Paulo, avaliou o desempenho cognitivo de vários adolescentes.

“Os que se exercitavam bastante no ambiente escolar alcançavam as maiores pontuações”, lembra. Mais recentemente, Andrea Deslandes, profissional de educação física e coordenadora do Laboratório de Neurociência do Exercício da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, começou a verificar o impacto de aulas de capoeira na performance de crianças de 6 a 12 anos. De lá pra cá, ela e seus colegas de laboratório revelaram que o contato com essa arte marcial tipicamente brasileira contribuiu para notas mais altas na escola. “Os estudos mostram vantagens da infância à terceira idade“, assegura a expert carioca. Falando de aulas de ginástica, a neurologista da Universidade de São Paulo, Sônia Brucki, também atesta: “Elas fazem aumentar a quantidade de células nervosas no cérebro“. Além disso, essas unidades passam a receber um aporte sanguíneo extra e ganham ramificações para se comunicarem com eficácia. São mudanças que ajudam a explicar o fato de o sedentarismo ser o terceiro maior fator de risco passível de intervenção para demências, atrás apenas do nível educacional baixo e do tabagismo.



Também é importante salientar os benefícios comportamentais das modalidades esportivas. Disciplina, concentração, resiliência e trabalho em equipe estão entre os valores que auxiliam a sobrepujar desafios mentais. “Só não vale achar que uma corrida substitui a leitura”, brinca Hanna Karen. Não há recorde mundial que garanta, sem um bocado de estudo, uma cabeça realmente ativa.

Fonte: Revista Bicicleta

0 comentários:

Postar um comentário