Subscribe:

Parceiros

.


quarta-feira, 1 de abril de 2015

Guia prático para aprender a escolher o pneu ideal

A escolha do pneu correto é fundamental para a segurança e o desempenho da bicicleta, afinal o pneu é o componente responsável em manter a bicicleta em contato com o solo.


Desde os primitivos pneus maciços até a invenção do pneumático pelo veterinário escocês John Boyd Dunlop, no final do século XIX, esse importante componente, que tem como objetivo garantir um rodar macio e seguro, nunca parou de evoluir e a cada ano novas tecnologias chegam às prateleiras.

O mercado oferece centenas de opções para as mais variadas aplicações e necessidades que atendem todos os tipos de bicicletas, desde as infantis até os profissionais que buscam desempenho em competições de nível olímpico. Como é de se esperar, os preços variam bastante também. Há pneus econômicos e populares na faixa dos R$ 20,00, assim como existem também sofisticados pneus tubulares de competição feitos a mão que chegam a custar R$ 600,00 a unidade.

O importante é saber qual o modelo mais indicado e que satisfaz a necessidade de cada ciclista.


COMO ESCOLHER

Diâmetro
O primeiro passo na hora de escolher um pneu é saber qual o tamanho do aro. O modo mais fácil é olhar na lateral dos pneus já instalados em sua bike. Em todo pneu existe sempre uma inscrição do tipo 26 x 1.5, 26 x 2.0, 700 x 23 etc. O primeiro número se refere ao diâmetro da roda (tamanho do aro) e o segundo à largura.

Em geral, pneus na medida 700C são usados nas bikes de estrada e em algumas híbridas, enquanto que as rodas de aro 26 equipam a grande maioria das mountain bike, as bikes de lazer e as bicicletas de transporte de uso geral. Nos últimos anos o mercado ganhou duas novas medidas de rodas específicas para as mountain bikes: aro 29 e aro 27.5.

Em caso de dúvida, o melhor a fazer é levar a bike (ou as rodas) até uma boa bike shop e pedir orientação a um vendedor experiente.

Outro dado a ser considerado na hora da compra é a largura do pneu. Esse valor normalmente é expresso em polegadas e obtido como se cortássemos um pneu no sentido transversal e o medíssemos aberto.

Largura
A largura de um pneu está intimamente ligada com sua robustez, maciez e também com a aderência e resistência ao rolamento, também chamado de arrasto. Assim, um pneu mais estreito é mais leve e desliza melhor no terreno, mas, por outro lado, é mais frágil e suscetível a cortes e furos e pode comprometer a aderência nas curvas e tração em determinadas situações e terrenos.

Já um pneu mais largo vai oferecer mais estabilidade e aderência nas curvas, será mais resistente e vai garantir mais tração, entretanto será mais pesado e pode comprometer a rolagem, pois sua área de contato com o solo é maior. Outra característica de um pneu mais largo é o conforto oferecido, já que tem mais ar em seu interior.

Tenha sempre em mente em qual tipo de terreno vai utilizar a bicicleta para fazer a melhor escolha.

Banda de rodagem
Os desenhos da banda de rodagem (a parte do pneu que fica em contato com o solo) variam de acordo com a aplicação do pneu. Podem completamente lisos (os slicks) ou ter cravos dos mais variados formatos e com espaçamentos distintos, frisos para escoamento de água, enfim, há toda uma funcionalidade e tecnologia por trás do formato de uma banda de rodagem.

A escolha apropriada da banda de rodagem é importantíssima, pois os cravos são fundamentais para garantir tração e evitar derrapagens nas curvas.

Pneus com cravos altos são próprios para terrenos lamacentos e cravos baixos garantem uma boa rodagem em estradas de terra batida. Outra característica a ser observada é o espaçamento entre os cravos e é importante saber que quanto maior a distância entre eles, menos lama vai se acumular.

Para quem for usar a bike a maior parte do tempo no asfalto, é interessante considerar a hipótese de adquirir um pneu slick, que vai render melhor na cidade e estradas e caem como uma luva para quem curte pedalar somente em ciclovias, parques ou à beira-mar. Outra opção são os pneus mistos, que permitem uma maior versatilidade para o uso da bicicleta e são perfeitos para as bikes híbridas e para os ciclistas aficionados do cicloturismo.

Uma maneira bastante eficaz de se saber qual o melhor pneu para você é trocar experiências com outros ciclistas. Vale a pena perguntar e ouvir as experiências de quem já usou determinado modelo de pneu. Outra opção é pesquisar em fóruns de internet e ler artigos em revistas especializadas.

Kevlar X arame
A parte dura do pneu que se encaixa no aro é chamada de talão. Existem pneus com talão de arame e de Kevlar. A vantagem do segundo material sobre o primeiro é que além de mais leve, o pneu é bem mais fácil de ser montado e desmontado do aro (dispensa inclusive o uso de espátulas) e pode ser dobrado, que é uma vantagem na hora de armazenar e transportar.


Tecnologias antifuro
Todo ciclista sabe o quanto é chato interromper uma prazerosa pedalada e perder tempo para trocar uma câmara. Pensando nisso, muitas marcas oferecem pneus com sistema antifuro, tecnologia que não elimina 100% do problema com pneus furados, mas comprovadamente garante menos furos e dores de cabeça.

No geral, o sistema antifuro consiste em uma camada mais resistente a perfurações que fica embutida na banda de rodagem e recebe os mais variados nomes de acordo com cada fabricante, como DuraSkin (Continental), Protek (Michelin) e SmartGuard (Schwalbe).

Outra solução para diminuir a possibilidade de furos é o uso de uma fita protetora que vai instalada entre o pneu e a câmara de ar e que pode ser usada tanto em pneus de bikes de estrada quanto de mountain bikes e de bikes urbanas/híbridas. As fitas antifuro, apesar de acrescentarem um pouquinho de peso ao pneu, minimizam bastante a ocorrência de furos, são fáceis de instalar e custam pouco (aproximadamente R$ 25,00 a unidade).

Atualmente, a última palavra em tecnologia antifuro para as mountain bikes são os pneus sem câmara, os tubeless. Essa tecnologia exige que os aros sejam específicos para esse tipo de pneu, que usa em seu interior um líquido auto-selante que praticamente elimina de vez a inconveniência dos pneus furados. Ao ser perfurado, a própria pressão do pneu empurra o líquido selante para dentro do furo e efetua automaticamente o reparo.

Os pneus tubeless podem trabalhar com menos pressão, já que não estão sujeitos aos furos conhecidos como “snake bites”, que acontecem quando a roda bate de maneira brusca numa pedra por exemplo e o próprio aro provoca dois furos na câmara que se parecem com picadas de cobra, daí o nome.

O mercado oferece algumas câmaras de ar com válvulas de bico grosso (Schrader) que podem ser desmontadas e assim receber o líquido selante, são as chamadas câmaras de ar autorreparáveis e são encontradas na maioria das vezes apenas para os pneus de aro 26.

DICAS DO EDIVANDO CRUZ

O bicampeão brasileiro de cross country e de maratona Edivando de Souza Cruz dá dicas espertas na hora de escolher o pneu certo para vários tipos de terreno:

“O pneu para uma bike de aro 26 deve ser mais específico do que nas de roda de maior diâmetro 27.5 e 29. Já andei com as três medidas de rodas e atualmente utilizo bikes de aro 27.5 e aro 29. Particularmente, gosto de pneu mais largos, como os 2.0 e até mesmo o 2.20. Acho o rendimento melhor, pois o contato do pneu com o solo é maior, a bike tem mais estabilidade e mais facilidade para pilotar. Além disso, um pneu mais largo dá mais conforto com uma rodagem mais macia que os pneus mais finos tipo 1.9 ou 1.95. Os pneus mais largos te deixam rodar mais despreocupado e, inclusive, entrar mais rápido nas curvas.



Praticamente, todas as marcas têm duas ou três opções de um mesmo pneu com peso diferente. Aí entra a questão de o ciclista avaliar qual o terreno que vai andar. Em provas como o Big Biker, por exemplo, com predominância de terreno de chão batido, o pneu pode ser menos robusto e, portanto, mais leve. Já no caso da ultramaratonas do tipo Brasil Ride e Iron Biker, com terrenos cheios de drops, pedras e cascalhos, compensa colocar um pneu mais resistente (e mais pesado) para evitar problemas com cortes e assim poder terminar a prova.

Em maratonas disputadas em lugares com muita chuva, como a Volta a SC em Mountain Bike, prefiro pneus com cravos intermediários, pois se o pneu tiver os cravos muito altos, a bike não vai render.

No caso de uma corrida de cross country num circuito muito enlameado, o melhor é usar pneu específico para lama, com cravos altos (quase o dobro de altura de um pneu normal) e mais espaçados para não acumular barro.

Faz muito tempo que uso pneus tubeless, que trazem muitas vantagens em relação aos pneus tradicionais com câmaras. Um pneu tubeless pode usar até 32 libras. Costumo usar umas 2 ou 3 libras a mais no pneu traseiro. Mesmo usando pneu tubeless há anos, sempre saio para treinar com pelo menos uma câmara de ar de reserva. Em 20 anos de profissão já passei por muitas situações que não quero encarar de novo.”




Clincher x tubular
Até meados da década de 90 os pneus para bicicletas de ciclismo de estrada eram os chamados tubulares, que incorporam em seu interior a câmara de ar e são colados no aro. O grande problema dos tubulares são os furos, que exigem muita habilidade para fazer o reparo.

Esse tipo de pneu foi perdendo espaço para os pneus do tipo Clincher, que se encaixam no aro como os pneus tradicionais e ganharam rapidamente o mercado graças principalmente a sua praticidade. Quando um pneu clincher fura, basta substituir a câmara por uma nova e continuar a pedalada. Atualmente os pneus tubulares são praticamente restritos às competições de contrarrelógio, triathlon e de velódromo.



TPI
Muitos pneus trazem uma informação adicional gravado em sua lateral. A sigla TPI quer dizer threads per inch, ou seja, fios por polegada. Quanto mais alto esse número significa que um pneu é feito de fios mais finos e possui mais fios em sua trama e, portanto, é mais resistente a furos e suporta mais pressão.

VÁLVULAS
Os tipos mais comuns de válvulas usados nas câmeras de ar são as do tipo Presta (bico fino) e Schrader (bico grosso), muito parecidas com as utilizadas nos automóveis e motocicletas e a calibragem pode ser feita facilmente no calibrador de qualquer posto de gasolina.

As válvulas Presta são mais comuns nas rodas que equipam as bicicletas de estrada e também nas mountain bikes mais sofisticadas e retêm a pressão por mais tempo, entretanto exigem que a calibragem seja feita por bombas específicas para esse tipo de válvula. Uma alternativa simples e barata (cerca de R$ 10,00) é ter sempre a mão um adaptador para ser rosqueado na válvula e que permite a calibragem no posto de gasolina.


CALIBRAGEM
Uma dúvida frequente entre ciclistas de estrada e mountain bikers é a pressão correta a usar nos pneus. A calibragem depende de algumas variáveis que devem ser levadas em consideração. Em geral os pneus das bikes de estrada são calibrados entre 80 libras e 120 psi (pound per square inch, ou seja, libra por polegadas quadrada). Pneus tubulares para serem usados em velódromo podem chegar até 220 psi.

Para as bikes urbanas e mountain bikes, a pressão pode variar de 30 a 65 libras e vai depender muito do peso do ciclista, do tipo de pneu, das condições atmosféricas, do piso e do uso que se vai fazer.

Numa bike de estrada e nas bikes sem suspensão dianteira, o pneu dianteiro pode ser calibrado de 10-20% mais murcho que o traseiro para ajudar a amortecer as imperfeições do terreno e poupar os braços de impactos.

Considerações na hora de calibrar:
Quanto mais leve o ciclista menos pressão é necessária nos pneus
Quanto mais liso e perfeito o piso, maior pode ser a calibragem
Menos pressão nos pneus significa mais atrito com o chão, portanto maior aderência
Maior pressão significa menos contato com o chão, portanto menos aderência, e em contrapartida, maior velocidade
Quanto mais fino o pneu, mais pressão ele admite
Em terrenos escorregadios (barro, areia, asfalto molhado) um pneu mais murcho terá maior aderência
Pneus sem câmara (tubeless) trabalham com menos pressão
A calibragem perfeita é resultado da combinação dos fatores acima. O melhor é cada ciclista fazer testes com várias calibragens e ver a que melhor se adapta a seu estilo e à necessidade do momento. Aumente ou diminua a pressão de seu pneu de 5 em 5 libras para ter parâmetros de comparação.

LEMBRE-SE:
Pneus excessivamente murchos são mais propensos a furos e se desgastam mais, e pneus mais cheios transmitem mais impacto ao ciclista, são mais lisos na chuva, mas em contrapartida tornam a bike mais rápida.

Evite encher seu pneu com bombas manuais elas foram criadas para consertos de emergência. O ideal para calibrar é usar bombas de pé, pois o movimento de vaivém das bombas manuais fazem a válvula balançar e com o tempo vai ocasionar o rompimento na junção da válvula com a câmara. Evite calibrar em postos de gasolina, pois o ar comprimido normalmente está contaminado com água e vai diminuir a vida útil da câmara de ar.

Fonte: Bikemagazine
Texto de Marcos Adami
Fotos: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário